Propriedades psicométricas da pcl-sv na população carcerária brasileira: estudo de validação da escala pcl-sv

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2015-11-27
Autores
Costa, Christian da Silva [UNIFESP]
Orientadores
Mello, Marcelo Feijo de Mello [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Contexto: A Lista de Verificação para Psicopatia. Versão Triagem (PCL-SV) é um instrumento clínico-forense para se avaliar psicopatia de fácil utilização. A validação do instrumento será de grande utilidade para uso clínico forense. Objetivo: Adaptação e validação do PCL-SV para o Português brasileiro. Métodos: Participaram 300 homens de penitenciárias e Hospitais de Custódia e Tratamento Psiquiátrico de várias regiões do Brasil. Dois aspectos fundamentais foram avaliados, a confiabilidade e a validade. A esses indivíduos foi aplicado o PCL-R, que é o padrão ouro da avaliação de psicopatia, e duas vezes o PCL-SV, por entrevistadores diferentes, com intervalos de 5 meses entre as avaliações. Resultados: Há grande concordância entre o PCL-R e PCL-SV, bem como entre as duas avaliações pelo PCL-SV. O ponto de corte da Escala Hare PCL-SV determinado para o Brasil foi de 18 pontos. Conclusão: O ponto de corte da Escala Hare PCL-SV estabelecido para a população brasileira (18 pontos) para determinar se o indivíduo possui a condição de psicopatia e se possui maturidade criminal foi o mesmo que os valores encontrados em estudos em outros países. Considerando a alta correspondência entre as medidas do PCL-SV, concluímos que há confiabilidade neste instrumento e devido à alta correspondência entre o PCL-R e o PCL-SV, também concluímos que o PCL-SV é valido para o contexto brasileiro, tanto para sua validade interna quanto externa.
Descrição
Citação
COSTA, Christian da Silva. Propriedades psicométricas da pcl-sv na população carcerária brasileira: estudo de validação da escala pcl-sv. 2015. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.