Marcadores bioquímicos relacionados ao metabolismo lipídico de adolescentes com lúpus eritematoso sistêmico juvenil: relação com o risco cardiovascular

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2014-11-27
Autores
Machado, Daniele [UNIFESP]
Orientadores
Terreri, Maria Teresa de Sande e Lemos Ramos Ascensao Terreri [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introdução: O lúpus eritematoso sistêmico (LES) juvenil é uma doença inflamatória crônica, que acomete indivíduos até 18 anos de idade. Trata-se de uma doença complexa que é caracterizada não apenas por processo inflamatório em diversos órgãos e tecidos, mas também por um processo acelerado de aterosclerose. A literatura já demonstra que adultos com LES apresentam risco elevado de aterosclerose prematura, apresentando risco duas vezes maior para a doença cardiovascular (DCV). Objetivo: Relacionar os biomarcadores do metabolismo lipídico associados ao risco cardiovascular de adolescentes do lúpicas do sexo feminino com variáveis da doença e estado nutricional. Métodos: Estudo transversal e controlado com 33 adolescentes de sexo feminino com LES juvenil e 33 controles saudáveis do mesmo sexo, pareadas por idade e estadiamento puberal. Foram avaliados: atividade da doença (SLEDAI), proteinúria, proteína C reativa (PCR us), medicamentos utilizados, índice de massa corporal; estatura para a idade (escore z) e composição corporal, consumo alimentar (recordatório de 24 horas), perfil lipídico apolipoproteinas A e B e (Apo A-I e Apo B) Paraoxonase (PON) e arilesterase (ARI). Foram calculados os valores de Não HDL-c (NHDL-c) e a relação Apo B/Apo A-I. Resultados: A mediana do tempo de doença foi de 54 meses (11,0 a 122,0), SLEDAI acima de 4 foi observado em 33% dos pacientes. A mediana da dose cumulativa de corticoesteróide foi de 260,7 mg/kg e a proteinúria foi observada em 21,1% dos pacientes. Dislipidemia foi observada em 39,4% dos pacientes e em 21,2% dos controles, sem diferença estatística, sendo a diminuição de HDL-c a alteração estatisticamente mais frequente nos pacientes mesmo após ajuste para a condição nutricional. Apo B, PON e PCR us não diferiram entre os grupos. Por meio de análise multivariada, ajustada para a condição nutricional e concentrações de HDL-c, observou-se elevação na relação Apo B/Apo A-I mais frequentes nos pacientes que nos controles. Por meio de regressão multivariada verificou-se que a idade (anos), tempo de doença (meses), dose cumulativa de corticosteroides (mg/kg), SLEDAI, ARI (U/mL),PON (U/mL), HOMA-IR, PCR us (mg/L), ZIMC e proteinúria 24 hs (mg/kg) não se associavam com as concentrações de HDL-c. Conclusão: Adolescentes com LES mesmo com baica atividade da doença e com função renal preservada apresentam risco aterosclerótico independete do estado nutricional e do consumo alimentar. Fatores de risco próprios da doença podem ser responsáveis por esses achados.
Descrição
Citação
MACHADO, Daniele. Marcadores bioquímicos relacionados ao metabolismo lipídico de adolescentes com lúpus eritematoso sistêmico juvenil: relação com o risco cardiovascular. 2014. 92 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2014.