Infecção por citomegalovirus em lactentes de creches publicas de São Paulo - Brasil

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2013-09-30
Autores
Passoni, Daniela Forlin Pereira [UNIFESP]
Orientadores
Taddei, Jose Augusto de Aguiar Carrazedo Taddei [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introdução: A infecção congênita por Citomegalovírus (CMV) ocorre após a contaminação durante a gestação através da urina e saliva, principalmente de crianças infectadas e é a principal causa de danos neurológicos e sensoriais em crianças. Mães de crianças que estão excretando CMV são mais susceptíveis a adquirir o vírus. A prevalência de CMV nas crianças frequentadoras creches é alta, principalmente em populações de baixa renda. Além disso, existe pouca informação sobre a infecção por citomegalovírus e suas formas de prevenção nessa população. Objetivo: A proposta deste estudo é determinar a prevalência da infecção por citomegalovírus através de testes laboratoriais para verificar a presença de anticorpos para CMV no sangue e identificação e quantificação do vírus no sangue e na saliva e sua associação com fatores de risco sócio econômicos, demográficos, médicos e nutricionais de crianças atendidas nos berçários de creches públicas e filantrópicas da cidade de São Paulo. Métodos: Foi realizado um estudo transversal com 255 crianças entre 10 e 38 meses, frequentadoras de berçário de oito creches públicas e filantrópicas, participantes do Projeto CrechEficiente II, da Cidade de São Paulo, Brasil. Foram realizadas entrevistas com as mães, antropometria, coleta de sangue por punção digital utilizando cartões de papel filtro (DBS cards), coleta salivar utilizando coletor universal (Oracol® swab) e dosagem de hemoglobina. Os testes laboratoriais realizados foram: estudo sorológico utilizando anticorpos contra CMV de classe IgM pelo método de Imunofluorecência e anticorpos contra CMV de classe IgG pelo método Elisa (255 amostras) e extração e quantificação de DNA viral do sangue (253 amostras) e saliva (243 amostras) pelo método Real Time – PCR. Os fatores de risco foram relacionados com os resultados considerados positivos e ajustados em modelos de regressão logística considerando-se associações estatisticamente significantivas com p< 0,05. Resultados: A soroprevalência encontrada para CMV-IgM foi de 2,7% e para CMV-IgG foi de 77%. O Real time PCR foi positivo em 22% da amostra de sangue e em 65% da amostra de saliva. O modelo de regressão logística multivariada corrigido para aleitamento materno incluiu idade da criança com menos de 18 meses (OR=1,3; 95% IC:0,5-3,1;p=0,59); o percentil do tempo de vida das crianças menor que 50% (medido em meses) na creche (OR=0,8; 95% IC:0,3-1,9, p=0,59) ausência de irmãos (OR=0,7; 95% IC:0,3-1,7;p=0,45) e o tempo de aleitamento materno menor que 90 dias (OR=0,4; 95% IC:0,1- 1,1;p=0,08) em associação com a soro prevalência de citomegalovírus (CMVIgG positivo). A correlação da carga viral no sangue com a idade da criança mostrou uma diminuição porém não significante (a= -0,1041 e p=0,1456) enquanto que a correlação da carga viral salivar com a idade foi extremamente significantemente (a= -0,0429 e p= 0,0049). Conclusão: A prevalência de citomegalovírus na população de estudo é alta. As crianças que não foram amamentadas ou que foram amamentadas por menos tempo apresentam maior soro prevalência em relação as que foram amamentadas por mais de 90 dias (aleitamento total). Demostrando uma necessidade de maiores estudos relacionando amamentação e soro prevalência de CMV. O poder de transmissão de CMV (shedding) na saliva diminuem com o aumento da idade. Mais estudos envolvendo crianças e transmissão de CMV são necessários. Programas de saúde com medidas educativas para a intervenção e a prevenção da infecção por citomegalovírus precisam ser desenvolvidos com a população frequentadora de creches no Brasil.
Descrição
Citação
PASSONI, Daniela Forlin Pereira. Infecção por citomegalovirus em lactentes de creches publicas de São Paulo - Brasil. 2013. 112 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2013.