Enfermeiros da atenção básica e a identificação de ações no controle do câncer de mama no município de Diadema-sp

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2015-02-25
Autores
Teixeira, Michele de Souza [UNIFESP]
Orientadores
Figueiredo, Elisabeth Niglio de Figueiredo [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introdução: O câncer de mama é o agravo que mais acomete mulheres em todo o mundo. No Brasil, mesmo com políticas de saúde públicas instituídas, o diagnóstico dessa neoplasia tem acontecido em estágios avançados, acarretando taxas de mortalidade elevadas. Portando, a detecção precoce é fundamental para a melhora desses indicadores, sendo a Atenção Básica o local primordial para a realização dessa ação. Entre os profissionais, o enfermeiro tem papel de destaque nas atividades de controle da doença. Objetivo: Identificar a implementação das ações de rastreamento oportunístico do câncer de mama, propostas pelo Ministério da Saúde, por enfermeiros de Unidades Básicas de Saúde de Diadema-SP. Método: Estudo quantitativo observacional, de corte transversal, cuja população foi constituída por 70 enfermeiros que atuavam na Estratégia Saúde da Família, e que aceitaram participar do estudo, respondendo a um questionário. Os dados foram analisados por meio de análises descritivas e inferenciais, utilizando o teste de associação pelo Qui-quadrado ou Teste Exato de Fischer. Resultados: 91,4% dos enfermeiros são Especialistas, principalmente na área de Saúde Pública; 44,3% participaram de capacitação sobre as ações para o câncer de mama e 57,1% e 28,6% referiram ter, em sua Unidade, o Caderno de Atenção Básica número 13 e o Documento Consenso, respectivamente. Todos os entrevistados referiram realizar a investigação de fatores de risco para a doença, sendo que 84,3% citaram a história de câncer de mama pessoal ou na família como sendo o fator mais reconhecido. Em relação ao ECM, 97,1% referiram realizá-la e, 47,1% e 41,4%, respectivamente, acreditavam não ter um intervalo ou uma faixa etária estabelecida para realização desse exame, sendo que 76,5% fizeram-no no momento da coleta de citologia oncótica. Em caso de exame alterado, 77,9% solicitaram avaliação médica; 88,6% indicaram a realização anual da MMG e 75,7% orientaram o primeiro exame a partir dos 40 anos; 82,9% fizeram o pedido do exame e destes, 82,8% utilizaram como critério principal a idade da mulher. Aqueles que não solicitaram o exame, justificaram não ser de sua competência profissional. A busca ativa de mulheres que faltaram à MMG, com suspeita de malignidade e com encaminhamento à Unidade de Referência foi executada por 31,4%, 64,3% e 37,1% dos entrevistados, respectivamente. Desses, 94,3% orientaram as mulheres quanto ao AEM, sendo que 80,3% deles o fizeram durante a coleta de citologia oncótica; 42,4% consideraram que não existe qualquer determinação quanto à faixa etária para a realização desse exame e 77,3% informaram que o mesmo deve ser mensal. A promoção de reuniões educativas sobre o câncer de mama foi confirmada por 52,9% dos profissionais. Quanto à consulta de enfermagem, todos realizaram e 57,6% referiram terem de 10 a 20 atendimentos agendados por dia. Quanto ao uso dos sistemas informatizados e aos dados gerados, os enfermeiros apontaram que o único Sistema presente em todas as Unidades foi o SIAB. Entre aqueles que não utilizaram, 62,5% informaram planejar suas ações pela demanda de atendimento. No que diz respeito aos entraves, 54,3% referiram ter dificuldades para realizar ECM e, dentre estes, 53,1% destacaram a falta de tempo; 55,7% afirmaram apresentar dificuldades para solicitar MMG, sendo que 59% reportaram-se ao agendamento do exame. Já o obstáculo mais frequente em todos os sistemas informatizados foi a falta de capacitação dos profissionais. Finalmente, quanto às associações, o número de consultas não apresentou significância estatística com a realização de atividade educativa. Entretanto, a falta de capacitação dos enfermeiros é um fator dificultador para o desenvolvimento desta ação. Conclusão: Existem algumas não conformidades entre as ações propostas pelo Ministério da Saúde para serem desenvolvidas pelos enfermeiros no rastreamento oportunístico do câncer de mama e as executadas nas UBSs estudadas. Portanto, é fundamental que o município de Diadema invista na qualificação dos profissionais e na avaliação e reestruturação do processo de trabalho das Equipes de Saúde da Família.
Descrição
Citação
TEIXEIRA, Michele de Souza. Enfermeiros da atenção básica e a identificação de ações no controle do câncer de mama no município de Diadema-sp. 2015. 105 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.