Processos microrregulatórios em uma unidade básica de saúde e a produção do cuidado

Processos microrregulatórios em uma unidade básica de saúde e a produção do cuidado

Author Oliveira, Lissandra Andion de Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Cecilio, Luiz Carlos de Oliveira Cecilio Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Saúde Coletiva
Abstract Introduction: The Basic Attention has been increasingly demanded to be the care?s coordinator and the communication center of the services network (Starfield, 2002) as established in Primary Care National Policy approved in 2011 (Brasil, 2011). Objective: Caracterize the microregulation process developed by a basic health unit focusing on guarantee the integrality of the care of its users. Metodology: The study is related to the research Primary Health Care as strategy to the (re)configuration of National Policies of health, sponsored by CNPQ, FAPESP and MS. This is a case study of qualitative approach conducted in a UBS in São Paulo?s metropolitan area. The etnographic method developed on 3 techniques: document analysis, observation of the participant and semi-structured interviews, has been used. The observation of the participant was realized in 10 months with visits to the UBS. Six interviews were realized with people engaged in regulation. In the data analysis, the observed and recorded daily scenes, and the interviewed workers? description and judgement were grouped in order to compose two big thematic blocks: the internal microregulation and the external microregulation. Results: The microregulation practiced by the team, and that can be anyone, the realized actions to guarantee user access to the services in attention to the right care of his needs, presents two dimensions. An internal microregulation which treats the user acess to many offers of care on its own health unit (the many ways to access the unit; the management schedule; the pacient access to many offers after entering the unit; the matrix support). On the other side, the external microregulation, treats the access to other services in the network, having contrasted: a) when the pacient is selected as Zero Priority (P0) there is a significant mobilization and articulation of actors searching for the guarantees for the fastest routing, mostly successful; b) other priority levels are queued by arrival, and not for a clinical discrimination; c) the team, and particularly the doctors, make use of personal contacts in high instances to speed up the prioritary routes (professional regulation); d) other actors strongly influence the process like the community health agent and the end users. Conclusion: The microregulation works as a system of filters, and it is necessary to understand the elements that influence its porosity. Tough the UBS get people engaged to conduct to routes quickly and effectively in critical situations, the study points to weaknesses of basic attention to be the care?s coordinator as established by the Health Ministery, that task must be understood from several points, and that requires commitment of the managers in developments that allow the agents to communicate and the information exchange among the services. The study ends pointing a few elements which must be considered by the municipal management in order to fulfill your responsability for the access guaranteed and continuity of attention to SUS users.

Introdução: A Atenção Básica tem sido crescentemente demandada a ser a coordenadora do cuidado e o centro de comunicação da rede de serviços (Starfield, 2002) como estabelecido na Política Nacional de Atenção Básica aprovada em 2011 (Brasil, 2011). Objetivo: Caracterizar os processos microrregulatórios desenvolvidos por uma unidade básica de saúde visando garantir a integralidade do cuidado de seus usuários. Metodologia: O estudo está vinculado à pesquisa A Atenção Primária à Saúde como estratégia para (re)configuração das Políticas Nacionais de Saúde, financiada por CNPQ, FAPESP e MS. Trata-se de um estudo de caso de abordagem qualitativa realizado em uma UBS da região metropolitana de São Paulo. Utilizou-se o método etnográfico desenvolvido através de três técnicas: a análise documental, a observação participante e entrevistas semiestruturadas. A observação participante foi realizada através de visitas à UBS ao longo de 10 meses. Foram realizadas 6 entrevistas com os envolvidos na regulação. Na análise dos dados, as cenas do cotidiano observadas e registradas, e as descrições e julgamentos dos trabalhadores entrevistados foram agrupados de modo a compor dois grandes blocos temáticos: a microrregulação interna e a microrregulação externa. Resultados: A microrregulação praticada pela equipe, qual seja, os atos realizados para garantir o acesso dos usuários aos serviços em busca do cuidado adequado às suas necessidades, apresenta duas dimensões. Uma microrregulação interna que trata do acesso dos usuários às várias ofertas de cuidado da própria unidade (os vários modos de entrada na unidade; a gestão da agenda; o acesso do paciente às várias ofertas depois que entrou na unidade; o matriciamento). A outra, a microrregulação externa, trata do acesso aos demais serviços da rede, tendo-se evidenciado: a) quando o paciente é classificado como Prioridade Zero (P0) há uma significativa mobilização de atores buscando garantir o encaminhamento mais ágil, quase sempre bem sucedida; b) os demais níveis de prioridade entram em uma fila de espera organizada por ordem de chegada, e não por uma discriminação clínica mais fina; c) a equipe, em particular os médicos, fazem uso de contatos pessoais em outras instâncias do sistema para agilizar os encaminhamentos prioritários (regulação profissional); d) outros atores influenciam fortemente o processo como os ACS e o próprio usuário. Conclusão: A microrregulação funciona como um sistema de filtros, e é preciso compreender os elementos que influenciam sua porosidade. Embora a UBS consiga uma boa articulação interna da equipe para obter encaminhamentos em tempo ágil nos casos considerados críticos, o estudo aponta a impossibilidade de a atenção básica ser a coordenadora do cuidado, como estabelecido nos documentos do Ministério da Saúde, tarefa que precisa ser assumida por múltiplos pontos de atenção. Isso requer o engajamento da gestão no desenvolvimento de arranjos que possibilitem a comunicação e a troca de informações entre os serviços. O estudo conclui apontando alguns elementos que deverão ser considerados pela gestão municipal para cumprir sua responsabilidade de garantir o acesso e a continuidade da atenção aos usuários do SUS.
Keywords regulation in health
coordination of networks of attention to health
access to health services
basic attention network in health
regulação em saúde
coordenação de redes de atenção à saúde
acesso aos serviços de saúde
rede de atenção básica em saúde
Language Portuguese
Date 2015-06-18
Published in OLIVEIRA, Lissandra Andion de. Processos microrregulatórios em uma unidade básica de saúde e a produção do cuidado. 2015. 122 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.
Research area Saúde coletiva
Knowledge area Ciências da saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 122 p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2882713
Access rights Open access Open Access
Type Dissertation
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/47694

Show full item record




File

Name: Dissertação_Lissandra Andion de Oliveira.pdf
Size: 1.767Mb
Format: PDF
Description:
Open file

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account