Efeito das Isoflavonas da Soja na expressão gênica e histomorfometria na glândula adrenal de ratas ovariectomizadas

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2016-05-31
Autores
Marinho, Darci Souza [UNIFESP]
Orientadores
Bertoncini, Clélia Rejane Antônio [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
In the last decades the life expectancy has increased due to socio-economic development and the improvement of medical care provided to population. In this sense most women will experience a post-menopausal stage of life exposing themselves to deleterious effects of estrogen deprivation. This led to the development of hormone replacement therapy, which is mainly used for relief of vasomotor and urogenital symptoms, as well as to reduce osteoporosis and cardiovascular disease risk. In consequence of some contraindications of this method, many studies aim the development of alternative therapies hat can benefit women's health. Among them we can highlight the use of phytoestrogens such as isoflavones, a vegetal no-steroidal compound that induces biological responses by modulating the actions of endogenous estrogens by binding to its receptors. In this study we analyzed the histomorphometry and the gene expression of Ki-67, VEGF and caspase 3 in the adrenal gland of ovariectomized rats treated with estrogen or isoflavones. We used 15 Wistar rats ovariectomized treated with isoflavones estrogen for 30 days. Treatment with estrogen showed a largest increase in the layers of the adrenal than isoflavones. These hypertrofic effects agree with the gene expression elevation of Ki67 and VEGF, which did not occur with the caspase 3, indicating that isoflavones have great proliferative effect on the adrenal gland but no protective effect against apoptosis. Taken together, our results indicate positively the therapeutic potential of isoflavones and can contribute to the development of effective therapies to decrease the symptoms of menopause.
Nas últimas décadas a expectativa de vida tem aumentado devido ao desenvolvimento socioeconômico e à melhora da assistência médica oferecida à população. Nesse sentido, mais mulheres experimentarão a fase de vida pós-menopausa expondo-se aos efeitos deletérios do hipoestrogenismo. Este fato levou ao desenvolvimento de terapias de reposição hormonal, sendo esta utilizada principalmente para o alívio dos sintomas vasomotores e urogenitais, bem como para reduzir a osteoporose e o risco de doenças cardiovasculares. Devido algumas contra-indicações deste método, muitos estudos visam o desenvolvimento de terapias alternativas que possam trazer benefícios a saúde da mulher. Entre eles se destaca o uso de fitoestrogênios como a isoflavona, um composto vegetal não esteróide que induz respostas biológicas pela modulação das ações dos estrógenos endógenos por ligação aos seus receptores. Neste estudo nós analisamos a histomorfometria e a expressão de genes relacionados à proliferação celular (VEGF e Ki 67) e à apoptose (caspase 3) na adrenal de ratas ooforectomizadas tratadas com isoflavona ou estrógeno. Foram utilizadas 15 ratas Wistar ovariectomizadas tratadas com isoflavonas ou estrógeno por 30 dias. O tratamento com estrógeno causou um maior aumento nas camadas da adrenal do que aquele observado no grupo tratado com isoflavonas. Este resultado é compatível com o aumento observado na expressão gênica de ki67 e VEGF, o que não ocorreu com a caspase 3, indicando que este composto tem grande efeito proliferativo na glândula adrenal porém pouco efeito contra apoptose. Tomados em conjunto, nossos resultados sinalizam positivamente o potencial terapêutico das isoflavonas e podem contribuir no desenvolvimento de terapias mais eficazes para prevenção de sintomas decorrentes da menopausa.
Descrição
Citação
MARINHO, Darci Souza. Efeito das isoflavonas da soja na expressão gênica e histomorfometria na glândula adrenal de ratas ovariectomizadas. 2016. 58 f. Dissertação (Mestrado em Medicina: Ginecologia) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2016.