Ensino das ciências humanas e sociais na graduação em enfermagem, entre 1972-1994: o posicionamento da associação brasileira de enfermagem

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2013-05-29
Autores
Araujo, Aline Correa de [UNIFESP]
Orientadores
Sanna, Maria Cristina Sanna [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Nursing, began to be recognized as a science by 1950, after studies about nursing techniques based on the biological, Humanities and Social Sciences, conducted in the School of Nursing at University of Washington. In Brazil, nursing was based on positivist paradigm, like in medicine, following well-established theoretical, methodological and ideological models, resulting in marginalization of humanities and social sciences. The education of Brazilian Nursing was still subjugated by the historical and political moment in the country leading by dictatorial period that promoted a technical and pragmatic teaching advocated by a biomedical model. In its defense, the Brazilian Nursing Association had a relevant role for an ideological nursing training. ABEn had also struggled for an education that was critical, promoting citizenship. Therefore, this study had the objective of describe and analyze the teaching of the disciplines of Humanities and Social Sciences in the Undergraduate Courses of Nursing, between 1972 and 1994. A historical-documentary method was used in the present study, using as primary sources: Opinions of the Federal Council of Education n° 163/72 e n° 314/94, the publications of the entity class (the editorials of the Brazilian Journal of Nursing, Annals of the the Brazilian Nursing Congress, and 1st National Seminar on Guidelines for Nursing Education in Brazil), and as secondary sources- information obtained in scientific literature on the subject. These sources were analyzed according to their pertinence and thematic similarities in order to develop four specific categories to describe the objects: 1- Governmental initiatives, supported by ABEn, that bolstered the reorganization of nursing education, 2-Initiatives for the modification the curriculum of higher education in Nursing, 3- Themes that tangent the Humanities and Social Sciences in nursing education, but did not result in prescriptions, 4- Specific prescriptions of Humanities and Social Sciences for nursing. We concluded that, in the opinion of ABEn, that humanities disciplines were neglected in undergraduate nursing course during the studied period, because of political, historical or economic issues. This fact, may have hampered nursing training in the sense of social actor, committed to the health of the population and nursing as a profession.
A Enfermagem iniciou sua busca por reconhecimento como ciência nos anos 1950, após estudos realizados sobre a fundamentação de técnicas de enfermagem realizados na Escola de Enfermagem da Universidade de Washington, tendo como base as Ciências Biológicas e também as Ciências Humanas e Sociais. No Brasil, a ciência da Enfermagem pautou-se no paradigma positivista, assim como o fez a Medicina, e seguiu modelos teóricos, metodológicos e ideológicos seguros e já conhecidos, o que resultou na marginalização da área das Ciências Humanas e Sociais na pesquisa e na formação profissional. Durante o período da ditadura militar, a Enfermagem brasileira vivenciou o ensino tecnicista e pragmático, conforme o modelo assistencial biomédico preconizava. Em sua defesa esteve a Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn) que teve papel relevante na formação ideológica dos profissionais enfermeiros e na luta por uma educação crítica e promotora de cidadania. Por isso, o presente estudo foi realizado com o objetivo de descrever e analisar sua enunciação sobre o ensino das disciplinas de Ciências Humanas e Sociais nos Cursos de Graduação em Enfermagem, entre 1972 e 1994, marcos delimitados pela promulgação de duas legislações de ensino sobre o currículo de enfermagem. Para tanto, utilizou-se o método histórico-documental, empregando-se como fontes primárias as publicações contendo manifestações da entidade de classe- os editoriais da Revista Brasileira de Enfermagem, os Anais do Congresso Brasileiro de Enfermagem e do 1º Seminário Nacional de Diretrizes para a Educação em Enfermagem no Brasil sobre o tema. As fontes foram submetidas à análise de conteúdo, cujo resultado foi a construção de quatro categorias de descrição do objeto de estudo: 1- iniciativas governamentais, apoiadas pela ABEn, que ampararam a reorganização do ensino de enfermagem, 2- iniciativas para modificação do currículo de ensino superior de Enfermagem, 3- temas que tangenciaram as Ciências Humanas e Sociais na formação do enfermeiro, mas não resultaram em prescrições sobre como fazê-lo, e 4- Prescrições sobre o conteúdo das Ciências Humanas e Sociais para a Enfermagem. Concluiu-se que, na opinião a ABEn, o conteúdo de humanidades foi negligenciado nas propostas de formação no nível de graduação em Enfermagem, fosse por questões politicas, históricas ou econômicas, o que pode ter prejudicado a formação do enfermeiro entendido como ator social ativo e comprometido com a saúde da população e com a própria profissão.
Descrição
Citação
ARAUJO, Aline Correa de. Ensino das ciências humanas e sociais na graduação em enfermagem, entre 1972-1994: o posicionamento da associação brasileira de enfermagem. 2013. 102 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2013.