Fibrinogênio como fator de risco independente de doença vascular cerebral

Nenhuma Miniatura disponível
Data
1997-01-01
Autores
Fukujima, Marcia Maiumi [UNIFESP]
Martinez, Tânia Leme da Rocha [UNIFESP]
Pinto, Leonor do Espírito Santo de Almeida [UNIFESP]
Auriemo, Caio R.c. [UNIFESP]
Andrade, Luiz Augusto Franco de [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
We have studied fibrinogen levels (Clauss technique) in atherothrombotic ischemic stroke patients, in order to determine its role as a thombogenic risk factor. Twenty nine patients (20 men and 9 women) between 25 and 79 years old were studied; they all have had a atherothrombotic stroke. They were classified into two groups according to the result of their carotid doppler ultrasonography: g1 - without carotid flow reduction (n=l 9) and g2 - with carotid flow reduction (n=10). The fibrinogen mean value was 269mg/dl in gl and 353 mg/dl in g2. There were 47% of patients in gl and 80% of patients in g2 who presented levels >300 mg/dl. The proportions of the groups were significantly different (p<0,05). Considering the epidemiological value of 300 mg/dl, we conclude that the fibrinogen can be an independent risk factor for ischemic atherothrombotic stroke, specially in those whose carotid flow is reduced.
No protocolo de avaliação clínico-laboratorial de pacientes com acidente vascular cerebral (AVC) aterotrombótico dosamos e analisamos níveis de fibrinogênio plasmático (técnica de Clauss automatizada), para determinar seu possível papel como fator de risco trombogênico em 29 pacientes (20 homens e 9 mulheres) com idades entre 25 a 79 anos (mediana=55); todos tinham tido AVC aterotrombótico. Eles foram classificados em 2 grupos segundo alterações de fluxo nas carótidas: g1 - sem alteração de fluxo (n=19) e g2- com alteração de fluxo (n=10). Resultados- A média das dosagens de fibrinogênio no gl foi de 269 e no g2 de 353 mg/dl. Quarenta e sete por cento dos pacientes do gl e 80% do g2, apresentaram medidas >300 mg/dl. As diferenças obtidas entre os grupos neste estudo foram significantes. Conclusão- Considerando o nível de risco epidemiológico de 300 mg/dl, nossos resultados sugerem que o fibrinogênio é um fator de risco independente para AVC aterotrombótico, especialmente naqueles com alteração de fluxo carotídeo.
Descrição
Citação
Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO, v. 55, n. 4, p. 737-740, 1997.
Coleções