Inquérito nacional sobre as ligas acadêmicas de Medicina Intensiva

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2008-03-01
Autores
Neves, Flávia Branco Cerqueira Serra
Vieira, Patrícia Sena
Cravo, Elaine Andrade
Dias, Maria
Bitencourt, Almir
Guimarães, Hélio Penna [UNIFESP]
Feitosa-Filho, Gilson Soares
Orlando, José Maria da Costa
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
BACKGROUND AND OBJECTIVES: The Brazilian Intensive Care Medicine Association (AMIB) has been stimulating the creation of undergraduate associations/study groups on Critical Care Medicine (CCM), considering them a useful instrument to fill gaps in professional formation. The aim of this study was to evaluate the activities developed by CCM undergraduate study groups in Brazil. METHODS: The analyzed information was obtained on answers to a standard questionnaire. Contact by e-mail and/or telephone was made with representatives of all study groups registered on AMIB Committee of Undergraduate Study Groups on CCM (LIGAMI-AMIB) in September of 2007. In that period, there were 33 groups associated to LIGAMI, which 4 doesn't exist anymore, 17 answered to the sent questionnaire and the remaining 12 didn't answer the questionnaire or it was not obtained contact. RESULTS: Most study groups were founded after 2005, coinciding with the LIGAMI-AMIB Committee creation, and they are linked to one or more medical schools. Among the group's activities, the most frequent was theoretical classes (100%), usually supplied by teachers or invited physicians (69%). Other activities include practices on Intensive Care Units (88%), organization of scientific events (77%) and research projects (65%). Most study groups (65%) had already organized some scientific event such as courses and symposia; however, only three had already accomplished the AMIB CCM Introductory Course. CONCLUSIONS: The growing number of CCM undergraduate study groups in Brazil demonstrates students' interest for this specialty. Besides, there is a necessity of larger integration between existing groups to change experiences, cooperate in the accomplishment of research projects and participation on national and international events.
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) tem estimulado a criação de ligas acadêmicas de Medicina Intensiva (MI), considerando-as instrumento útil no preenchimento de lacunas na formação profissional. O objetivo deste trabalho foi avaliar as atividades desenvolvidas pelas ligas acadêmicas de MI de todo o Brasil. MÉTODO: Foi realizada análise das informações obtidas pela resposta a um questionário padrão. O contato foi feito por e-mail ou telefone com os representantes das Ligas constantes de lista fornecida pelo Comitê das Ligas Acadêmicas (LIGAMI-AMIB) em setembro de 2007. Na época existiam 33 ligas associadas ao LIGAMI, das quais quatro não mais estão ativas, 17 responderam ao questionário enviado. As 12 restantes não responderam ao questionário ou não foi obtido contato. RESULTADOS: A maioria das ligas foi fundada a partir de 2005, coincidindo com a criação do Comitê LIGAMI-AMIB, e são vinculadas a uma ou mais faculdades de Medicina. Dentre as atividades realizadas destaca-se a realização de aulas teóricas (100%), geralmente ministradas pelos professores orientadores ou médicos convidados (69%). Outras atividades incluem práticas em unidade de terapia intensiva (UTI) (88%), organização de eventos (77%) e atividades de pesquisa (65%). A maioria das ligas (65%), já realizou algum evento científico (cursos, simpósios e jornadas), no entanto, apenas três referiram já ter realizado o Curso de Introdução à Medicina Intensiva da AMIB. CONCLUSÕES: O número crescente de ligas de MI no Brasil demonstra o interesse dos estudantes por esta especialidade e aponta para a necessidade de maior integração no intuito de trocar experiências, cooperar na realização de atividades de pesquisa e participar de eventos nacionais e internacionais.
Descrição
Citação
Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB, v. 20, n. 1, p. 43-48, 2008.