Prevalência de Streptococcus pyogenes em orofaringe de crianças que freqüentam creches: estudo comparativo entre diferentes regiões do país

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2006-10-01
Autores
Vieira, Fernando Mirage Jardim [UNIFESP]
Figueiredo, Cláudia Regina [UNIFESP]
Soares, Maria Claudia [UNIFESP]
Weckx, Lily Yin [UNIFESP]
Santos, Odimara [UNIFESP]
Magalhães, Gleice
Orlandi, Patrícia
Weckx, Luc Louis Maurice [UNIFESP]
Pignatari, Shirley Shizue Nagata [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Thirty percent of acute pharyngotonsillitis is caused by Streptococcus pyogenes, which increased the risk of glomerulonephritis and rheumatic fever. Children attending daycare centers have a higher incidence of these infections. AIM: to identify and compare the prevalence of Streptococcus pyogenes in the oropharynx of children who are enrolled and who are not enrolled in daycare centers in different regions of Brazil. MATERIALS AND METHODS: A prospective study of two hundred children from São Paulo/SP and Porto Velho/RO. Children from each city were divided into two groups: those attending, and those not attending daycare centers. Swabs of the oropharynx were taken for bacteriological culture and identification. RESULTS: The prevalence of Streptococcus pyogenes in the São Paulo groups were 8% and 2% for daycare and control groups, which was statistically significant (p=0.02). The prevalence in children from Porto Velho/RO was 24% and 16% for daycare and control groups, which was statistically significant (p=0.015). Statistical analysis also showed a significant difference between the corresponding groups in the two locations (p<0.01). CONCLUSION: These results show that daycare attendance is a risk factor for oropharyngeal streptococcal colonization; this was seen in different populations, but was statistically significance in only one of the two samples.
Trinta por cento das faringotonsilites agudas são de etiologia estreptocócica com potencial de complicações como a glomerulonefrite difusa aguda e febre reumática. Crianças de creches apresentam maior incidência destas infecções. OBJETIVO: Identificar e comparar a prevalência do Streptococcus pyogenes na orofaringe entre crianças que freqüentam creches e crianças não-institucionalizadas, em duas regiões do Brasil. CASUÍSTICA E MÉTODO: Estudo prospectivo com 200 crianças, provenientes da cidade de Porto Velho/RO e São Paulo/SP, em quatro grupos, freqüentadoras ou não de creches. Realizou-se swab de orofaringe e cultura para identificação do Streptococcus pyogenes. RESULTADOS: Prevalência de 8% e 2% entre as crianças de São Paulo que atendem a creches e do grupo controle, respectivamente, apresentando valor estatístico (p=0,02). Prevalência de 24% e 16% nos grupos de Porto Velho/RO que freqüentam creche e controle respectivamente, não caracterizando diferença estatisticamente significante (p=0,18). Observou-se diferença estatisticamente significante entre os grupos creche e controle de São Paulo/SP aos seus correspondentes de Porto Velho/RO (p < 0,01). CONCLUSÃO: Os resultados deste estudo nos permitem sugerir que freqüência em creches representa um fator de risco para a colonização de orofaringe pelo Streptococcus pyogenes, fato observado em populações distintas, porém com significância estatística em apenas uma das duas amostras.
Descrição
Citação
Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. ABORL-CCF Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, v. 72, n. 5, p. 587-591, 2006.