Validação do teste do antígeno fecal, utilizando anticorpos monoclonais, para o diagnóstico da infecção por Helicobacter pylori em crianças menores de 7 anos de idade

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2008
Autores
Raguza, Daniele [UNIFESP]
Orientadores
Kawakami, Elisabete [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Validação de testes não invasivos para diagnóstico da infecção por H. pylori em lactentes e pré-escolares, com metodologia simples, prática e de baixo custo é essencial para a aplicação em estudos epidemiológicos. O teste do antígeno fecal do Helicobacter pylori utilizando anticorpos monoclonais (Hp StAR) é apropriado para uso em lactentes e pré-escolares pela maior facilidade da coleta de amostras fecais nesta faixa etária sem necessidade da colaboração da criança. Objetivo geral: Validar o teste do antígeno fecal utilizando anticorpos monoclonais (Hp StAR) para o diagnóstico da infecção pelo Helicobacter pylori em crianças menores de 7 anos. Objetivo específico: Avaliar se a intensidade de colonização do H. pylori na mucosa gástrica está relacionada com os valores de densidade óptica (DO) obtidos pelo teste Hp StAR. Métodos: 276/280 pacientes, 53,57 por cento do sexo masculino, com idade média +/- DP = 3,64 +/- 1,77 anos e Mediana de 3,54 anos, foram incluídos consecutivamente no período de 26 meses. Padrão ouro para H. pylori: cultura positiva ou teste rápido da urease e histologia, ambos positivos. O teste Hp StAR (Amplified IDEIATM Hp StARTM DakoCytomation Ltda, Alemanhã) foi executado segundo as orientações do fabricante, exceto quanto ao número de lavagens automatizadas da placa; e a leitura da densidade óptica (DO) foi feita com espectrofotômetro, comprimento de onda de 450mn. Utilizou-se o ponto de corte da DO sugerido pelo fabricante: positivo para DO ≥ 0,190 e negativo DO < 0,190 e o ponto de corte da DO = 0,400 obtido pela curva ROC. A avaliação histológica, baseada no sistema de Sydney modificado (Dixon et al, 1996), foi feita por um único patologista, sem conhecimento prévio dos resultados dos outros testes. Métodos estatísticos: Foram calculados os valores de sensibilidade e especificidade, com os respectivos intervalos de confiança de 95 por cento. Realizou-se a curva ROC para obtenção do melhor ponto de corte para a população estudada. A relação entre a densidade de colonização do H. pylori e a DO foi avaliada pelo teste de ANOVA. Resultados: H. pylori foi detectado em 18,1 por cento (50/276), não havendo nenhum paciente infectado menor que 1 ano de idade. O teste Hp StAR apresentou sensibilidade de 100 por cento (IC de 95 por cento: 92,7 - 100 por cento) e especificidade de 76,9 por cento (IC 95 por cento: 70,1 - 81,4 por cento), quando foi utilizado o ponto de corte da DO sugerido pelo fabricante. A sensibilidade manteve-se em 100 por cento (IC 95 por cento: 92,7 – 100,0 por cento) e a especificidade aumentou para 97,8 por cento IC 95 por cento: 94,7 – 99,0 por cento); quando foi utilizado o ponto de corte de 0,400, obtido através da curva ROC. Houve associação significante entre o grau de colonização na mucosa do corpo gástrico e os valores de DO: entre grau leve e intenso (p = 0,001), leve e moderado (p = 0,006), mas não entre moderado e intenso (p = 0,306); ao contrário do observado na mucosa do antro gástrico (p = 0,229). Conclusões: O teste Hp StAR é um método de alta acurácia para a detecção da infecção pelo H. pylori em crianças menores de 6 anos de idade, havendo, no entanto, a necessidade de validação local para estabelecer o melhor ponto de corte para cada população. Os valores de densidade óptica sugerem expressar a intensidade de colonização da mucosa do corpo gástrico, mas não da mucosa do antro gástrico..
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2008. 117 p.