Rinometria acústica no monitoramento dos testes de provocação nasal com histamina em crianças e adolescentes com rinite alérgica

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2008
Autores
Wandalsen, Gustavo Falbo [UNIFESP]
Orientadores
Solé, Dirceu [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Objetivo: padronizar e validar a rinometria acústica (RA) nos testes de provocação nasal (TPN) com histamina em crianças e adolescentes. Casuística e Métodos: foi realizada validação construtiva da RA, comparando-a a rinomanometria anterior ativa (RMAA). Vinte crianças e adolescentes com rinite alérgica persistente e 20 controles foram submetidos a TPN com histamina, monitorados pela RA e RMAA (SRE 2000, Rhinometrics). Os TPN foram realizados com instilação intranasal de soluções com concentrações crescentes de histamina (0,12 a 8,0 mg/ml). As variações na resistência nasal total (RNT, RMAA) foram comparadas as do volume dos cinco centímetros proximais da cavidade nasal (V5, RA). Os pacientes com rinite alérgica foram tratados com corticosteróide tópico nasal (furoato de mometasona, 100 μg/dia) por 21 dias, após os quais foram submetidos a novo TPN. Resultados: nas avaliações basais, os pacientes com rinite alérgica apresentaram valores de RNT significantemente superiores aos controles (média 0,34 Pa/cm3/s versus 0,21 Palcm3/s; p= 0,01) e inferiores de V5 (média 8,20 cm3 versus 9,24 cm3; p= 0,04). Houve diferença significante entre as concentrações de histamina capazes de induzir incremento de pelo menos 100% na RNT basal (média dos controles 2,4 mg/ml versus dos pacientes 0,72mg/ml, p< 0,001). Entre os pacientes com rinite alérgica, ao final do TPN, houve incremento médio de 126% na RNT, que correspondeu à redução média de 24,3% no V5. Com relação à queda do V5, 22% foi o ponto de corte co melhor balanço entre sensibilidade (72,5%) e especificidade (72,5%) para indicar a positividade do TPN..
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2008. 95 p.
Coleções