Show simple item record

dc.contributor.authorSouza, Maria de Lourdes R. de
dc.contributor.authorTanaka, Ana Cristina D'Andretta
dc.contributor.authorSiqueira, Arnaldo Augusto Franco de
dc.contributor.authorSantana, Renato Martins [UNIFESP]
dc.date.accessioned2015-06-14T13:24:18Z
dc.date.available2015-06-14T13:24:18Z
dc.date.issued1988-12-01
dc.identifierhttp://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101988000600004
dc.identifier.citationSOUZA, Maria de Lourdes R. de et al . Estudo sobre nascidos vivos em maternidades: 1. Peso ao nascer, sexo, tipo de nascimento e filiação previdenciária das mães. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 22, n. 6, p. 489-493, dez. 1988
dc.identifier.issn0034-8910
dc.identifier.urihttp://repositorio.unifesp.br/handle/11600/239
dc.description.abstractBirthweight is the result of many factors (organic, psychological, social) acting on the genetic potential of the fetus. Consequently, its distribution is different according to the characteristics of the population. In this paper the authors studied the weight at birth of live newborns (from 1978 to 1979) in the two big maternity hospitals, in Florianópolis, responsible for 90% of all births in the area, by sex, litter size and mother's health security. The authors verified that the mean birthweight of the 18,491 live newborns was 3,347.6gr. In that population 5.3% of the newborns were low birthweight infants, and 11.1% weighed 4,000gr or more. Male newborns weighed significantly more than female babies, and the same difference occurred between single and multiple births. The relationship between the newborn's birthweight and the kind of health security the mother had showed that the mothers who didn't pay any kind of health security had babies with lower birthweight than those of the mothers who subscribed to some health security scheme. The data showed that this population has a low incidence of low birthweight babies, with a distribution similar to that observed in developed countries.en
dc.description.abstractO peso ao nascer do recém-nascido é o resultado de diversos fatores (orgânicos, psíquicos e sociais) sobre o potencial genético do feto. É natural que sua distribuição seja diferente conforme as características da população. Desta maneira, pretendeu-se estudar o peso ao nascer dos recém-nascidos vivos, de 1978 e 1979, de duas grandes maternidades de Florianópolis, SC (Brasil), nas quais ocorrem 90% dos partos da região, segundo sexo, tipo de nascimento e filiação previdenciária das mães. Observou-se que a média de peso ao nascer dos 18.491 recém-nascidos vivos estudados foi de 3.347,6g. Nessa população ocorreu 5,3% de baixo peso ao nascer e 11,1% de crianças com 4.000g ou mais. As crianças do sexo masculino pesaram ao nascer mais que as do sexo feminino, sendo esta diferença estatisticamente significativa. O mesmo fato ocorreu com as crianças de nascimentos únicos e múltiplos, tendo os primeiros peso ao nascer maior que os segundos, sendo também esta diferença estatisticamente significativa. O estudo da relação entre a filiação previdenciária das mães e o peso ao nascer das crianças mostrou que as mulheres da classe indigente/serv. social tiveram número significativamente maior de recém-nascidos de baixo peso do que os de outras categorias sociais. Esses dados mostram que a população estudada apresentou uma baixa incidência de baixo peso ao nascer, com uma distribuição de peso ao nascer semelhante a de países adiantados.pt
dc.format.extent489-493
dc.language.isopor
dc.publisherFaculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
dc.relation.ispartofRevista de Saúde Pública
dc.rightsAcesso aberto
dc.subjectBirth weighten
dc.subjectInfant, low birth weighten
dc.subjectSex factorsen
dc.subjectSocioeconomic factorsen
dc.subjectPeso ao nascerpt
dc.subjectBaixo peso ao nascerpt
dc.subjectFatores sexuaispt
dc.subjectFatores sócio-econômicospt
dc.titleEstudo sobre nascidos vivos em maternidades: 1. Peso ao nascer, sexo, tipo de nascimento e filiação previdenciária das mãespt
dc.title.alternativeA study of life births in maternity hospitals: 1. Birth weight, sex, litter size and mothers' health securityen
dc.typeArtigo
dc.contributor.institutionUniversidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Saúde Departamento de Saúde Pública
dc.contributor.institutionUniversidade de São Paulo (USP)
dc.contributor.institutionUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.description.affiliationUniversidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Saúde Departamento de Saúde Pública
dc.description.affiliationUniversidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Saúde Materno-Infantil
dc.description.affiliationEscola Paulista de Medicina Departamento de Toco-Ginecologia
dc.description.affiliationUnifespUNIFESP, EPM, Depto. de Toco-Ginecologia
dc.identifier.fileS0034-89101988000600004.pdf
dc.identifier.scieloS0034-89101988000600004
dc.identifier.doi10.1590/S0034-89101988000600004
dc.description.sourceSciELO
dc.identifier.wosWOS:A1988R520100004


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record