Correção intracardíaca da tetralogia de Fallot no primeiro ano de vida

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2007
Autores
Moraes Neto, Fernando Ribeiro de [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Tese de livre-docência
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Histórico: A correção em um único tempo ou em dois (paliação seguida de correção intracadíaca) da tetralogia de Fallot na infância ainda é um assunto controverso. Objetivo: Avaliar os resultados precoces e tardios da correção intracardíaca da tetralogia de Fallot no primeiro ano de vida. Métodos: De janeiro de 1996 a outubro de 2004, 67 crianças com idade variando de 1 a 11 meses (media: 7,2 meses) e pesando entre 4 a 10 quilos (media:7, 1 Kg) foram eletivamente submetidas it correção intracardíaca da tetralogia de Fallot. 0 diagn6stico definitivo foi estabelecido em todos os casos por ecocardiografia bidimensional. A cirurgia foi realizada com circulaçao extracorpórea convencional e hipotermia moderada. Proteção miocárdica foi obtida com infusão na aorta de solução cardioplégica cristalóide gelada e hipotermia tópica do coração. Ventriculotomia direita foi realizada em 60 (89,5 por cento) casos e em 7 (10,5 por cento) utilizou-se a abordagem do defeito pela via atriopulmonar. Resultados: Cinqüenta e oito (86,5 por cento) crianças tinham sintomas de hipoxemia e 9 (13,5 por cento) eram acian6ticas. Os achados clínicos, radiol6gicos e eletrocardiográficos eram típicos de tetralogia de Fallot em todos os casos, e 0 diagnóstico foi confirmado por ecocardiografia bidimensional. 0 tempo de circulação extracorpórea variou de 35 a 147 minutos (media:78,8 ± 21 minutos), e o tempo de clampeamento da aorta variou de 25 a 86 minutos (media: 51,8 ± 15,6 minutos). Ampliação transanular da via de saída do ventrículo direito foi necessária em 50 (64,1 por cento) casos. 0 gradiente entre 0 ventrículo direito e a artéria pulmonar, ap6s a correção, variou de 0 a 54 mmHg (media: 15,5 ± 10,8 mmHg). Ocorreram 2 (3 por cento) óbitos no p6s-operat6rio imediato, e 6 outras crianças exibiram complicações significativas, mas não fatais. 0 seguimento tardio variou de 7 a 115 meses (media: 44,0 ± 35 meses). Houve uma morte tardia não cardíaca. Todos os outros pacientes estão assintomáticos. Estudos ecocardiográficos pós-operatórios não revelaram comunicação interventricular ou estenose pulmonar residual significativa em nenhum caso. Dez pacientes foram submetidos angiorresonância magnética nuclear, e em todos a função ventricular direita era satisfatória. Conclusões: 1) A correção intracardíaca da tetralogia de Fallot no primeiro ano de vida pode ser feita com baixas morbidade e mortalidade; 2) A restauração precoce da normalização da saturação arterial de oxigênio e da fisiologia do coração e da circulação seguramente san fatos benéficos aos pacientes; 3) Deve-se esperar bons resultados tardios quanta ao estado clinico e it função ventricular direita, alem de baixa mortalidade.
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2007. 63 p.
Coleções