Sofrimento mental como sentinela: possibilidades para a construção de um observatório das repercussões psicossociais na gestão municipal do trabalho no SUS

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2013
Autores
Coneglian, Rosana Cristina [UNIFESP]
Orientadores
Junqueira, Virginia [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A crise continua do Estado e do seu papel tem como resposta, na maioria dos paises, reformas que incidem nos recursos dirigidos as politicas sociais. A Reforma de Estado no Brasil teve grandes repercussoes no ambito do Sistema Unico de Saúde, principalmente pela adocao de logicas privadas na gestao, repercutindo nos vinculos empregaticios e nas condicoes de trabalho e gerando processos de desgaste dos trabalhadores, que levam ao sofrimento mental. Fatores psicossociais sao reconhecidamente importantes tanto na causalidade como na prevencao de doencas psicossomaticas e na promocao da Saúde no trabalho. Este estudo descreve e analisa os tipos de afastamento dos trabalhadores do SUS em Guarulhos, por agravos diagnosticados como transtornos mentais, no ano de 2011, em cinco categorias profissionais e analisa as percepcoes de gestores, dirigentes sindicais e controle social sobre a vinculacao das condicoes de trabalho com a ocorrencia de sofrimento mental. Trata-se de um estudo de natureza quanti-qualitativa. O levantamento de dados extensivos dos afastamentos foram disponibilizados pelo Servico Especializado em Engenharia de Seguranca e em Medicina do Trabalho u SESMT e as percepcoes de figuras chaves foram apreendidas por meio de entrevistas semiestruturadas. Os resultados indicaram que, nao obstante o reconhecimento da relevancia do sofrimento mental por parte dos entrevistados, evidencia-se a fragilidade dos dispositivos de acompanhamento da Saúde dos trabalhadores e os obstaculos para que se realizem a democratizacao das relacoes de trabalho. Do total das ocorrencias, cerca de 85 % sao de menos de 15 dias. Os afastamentos dos auxiliares de enfermagem suplantam os de todas as outras categorias, sendo pouco mais da metade das ocorrencias (51, 2%). Em seguida, encontram-se os agentes comunitarios de Saúde e os atendentes SUS com maior numero de afastamentos. O numero mais elevado de afastamentos procede dos servicos de Atencao Basica, seguidos pela Atencao Hospitalar
Descrição
Citação
CONEGLIAN, Rosana Cristina. Sofrimento mental como sentinela: possibilidades para a construção de um observatório das repercussões psicossociais na gestão municipal do trabalho no SUS. 2013. 153 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2013.