O fenômeno de "esquenta" entre jovens: características e fatores associados ao beber pré-balada

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2014
Autores
Santos, Mariana Guedes Ribeiro [UNIFESP]
Orientadores
Sanchez, Zila van der Meer [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
O alcool e a droga psicotropica mais consumida em praticamente todas as regioes do mundo, e tem sido reconhecido como um importante problema de Saúde publica, uma vez que nao afeta somente quem bebe, mas toda a sociedade. O obinge drinkingo ou oepisodio de beber pesadoo e a inGestão de uma grande quantidade de alcool, caracterizado pelo consumo de no minimo 4 doses de alcool em uma unica ocasiao para mulheres e 5 para os homens. Esse tipo de comportamento e encontrado mais entre os jovens e vem sendo praticado nas madrugadas de finais de semana, inclusive antes de irem para as baladas, fenomeno conhecido como oesquentao. Durante os oesquentaso ocorre o abuso do alcool e tambem de outras drogas, o que aumenta o risco de acidentes, violencia e comportamentos de risco. Na tentativa de compreender essa problematica relacionada ao consumo de alcool entre obaladeiroso brasileiros, esse estudo teve como principal objetivo identificar e avaliar os principais padroes de consumo de alcool e outras drogas durante os oesquentaso e os fatores associados a sua pratica. Foi feito um estudo epidemiologico transversal nas baladas de São Paulo atraves da tecnica de inquerito de portal com uso de bafometro e aplicacao de entrevistas guiadas por questionarios sobre consumo de alcool, outras drogas e outros comportamentos de risco. Os baladeiros responderam a entrevista na fila de entrada da balada e na saida do estabelecimento. Os questionarios foram respondidos pela mesma pessoa, que era identificada por um codigo individual e anonimo registrado em uma pulseira. Foram feitas 2.422 entrevistas em 31 baladas (dez/2012 u jul/2013), atraves de amostragem com probabilidade proporcional ao tamanho dos estabelecimentos e sistematica quanto aos entrevistados na fila destes locais. Do total, 41,3% (IC95%=33,7-49,3) praticaram oesquentao no dia da entrevista. Os principais motivos foram: ochegar desinibido na baladao (39,0%; IC95%=35,3-42,9) e oeconomia de dinheiroo (31,7%; IC95%=25,7-38,4). Os locais nos quais o esquenta foi praticado foram: em casa (33,0%; IC95%=27,1-39,4), na rua (30,7%; IC95%=23,3-39,3) e em bares (26,5%; IC95%=21,5-32,1). Observou-se que 22,8% (IC95%=17,9-28,6) de quem fez esquenta estavam com dosagem alcoolica no halito equivalente ao padrao obinge drinkingo de consumo de alcool na entrada da balada (vs 0,3% - IC95%=0,13-0,97 de quem nao fez); na saida, quem fez oesquentao tambem saiu com maior padrao obingeo (44,3% - IC95%=36,0-53,0) do que quem nao fez oesquentao (22,6% - IC95%=14,4-33,6). A media de dosagem alcoolica no halito de quem fez esquenta foi de 0,23 mg/L (IC95%=0,19-0,27) na entrada da balada e 0,34 mg/L (IC95%=0,29-0,40) na saida da balada. Quem fez oesquentao bebeu mais dentro da balada do que aqueles que nao fizeram (p<0,001). O resultado interessante e que a porcentagem de jovens alcoolizados que foram embora dirigindo foi maior no grupo que fez esquenta (56%; IC95%=46,4-64,8; p<0,001), do que nao fez (20%; IC95%=13,1-28,9). De um modo geral, a pratica de diversos comportamentos de risco foi mais frequente entre quem fez oesquentao. Ser homem (OR= 1,98 - IC95%=1,45-2,71), fumantes (OR 1,64 u IC95%=1,00-2,70 - p=0,051), e que o historico de pratica de obinge drinkingo (OR= 2,28 u IC95%=1,70-3,07 - p<0,001), efeitos severos da embriaguez (OR= 1,77 u IC95%=1,40-2,22 - p<0,001) e praticas de comportamento sexual de risco (OR= 1,67 u IC95%=1,20-2,33 - p=0,004) aumentam a chance de praticar oesquentao. Identifica-se que o comportamento de oesquentao influencia negativamente na intoxicacao alcoolica de saida da balada. Politicas publicas e fiscalizacao das mesmas precisam ser implantadas a fim de reduzir os riscos associados a este comportamento
Descrição
Citação
SANTOS, Mariana Guedes Ribeiro. O Fenômeno de “esquenta” entre jovens: características e fatores associados ao beber pré-balada. 2014. 152 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2014.