Analise imunohistologica da Endostatina, MMP-2 e MMP-9 em rins de camundongos submetidos a isquemia e reperfusao

Show simple item record

dc.contributor.author Cichy, Milena Cristina [UNIFESP]
dc.date.accessioned 2015-12-06T23:46:15Z
dc.date.available 2015-12-06T23:46:15Z
dc.date.issued 2010
dc.identifier.citation São Paulo: [s.n.], 2010. 64 p.
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22829
dc.description.abstract A injuria renal aguda (IRA) e uma sindrome, resultante da queda abrupta na filtracao glomerular. A isquemia e a principal causa da IRA e, invariavelmente, promove a restricao de oxigenio e nutrientes e o acumulo de metabolitos nos tecidos. O processo de reperfusao tecidual, fundamental para recuperacao renal, e tambem, uma agressao adicional principalmente pelo aumento na producao de radicais livres durante a re-oxigenacao. Alteracoes vasculares ocorrem desde a fase de iniciacao da IRA e estendem-se para o processo de reperfusao apesar disto, o seu papel na fisiopatologia ainda e muito desconhecido. O colageno XVIII esta presente na membrana basal endotelial e epitelial renal. A regiao NC1 deste colageno pode sofrer clivagem e liberar endostatina (ES) e suas isoformas. As metaloproteinases de matriz (MMPs) sao uma familia de enzimas zincodependentes, intimamente relacionadas, que degradam a matriz extracelular. A MMP-2 e a MMP-9 sao gelatinases que clivam a maioria das macromoleculas da matriz extracelular, incluindo o colageno XVIII. Camundongos machos, C57BL/6 foram submetidos a 45 minutos de isquemia e os tempos de reperfusao estudados foram: 4,12, 24, 48, e 72 horas. Realizou-se a coleta de sangue e rins em todos os tempos. A funcao renal foi avaliada pela dosagem de ureia, analise histologica e imunohistoquimica (PCNA). A semi-quantificacao da ES foi realizada por western blotting. Atividade gelatinolitica foi realizada por zimografia com gelatina. A localizacao e colocalizacao da ES, MMP-2 e MMP-9 foram realizadas por imunohistoquimica e imunofluorescencia. Os animais entraram em insufiCiência aguda na isquemia (p<0,05), ate 48 horas de reperfusao. O maior comprometimento da funcao renal ocorreu em 24 horas de reperfusao (p< 0,001). A funcao renal normalizou 72 horas apos a reperfusao. As celulas dos tubulos medulares apresentaram maior indice de proliferacao. Os niveis de ES aumentaram com a isquemia, cairam no inicio da reperfusao e voltaram a subir de maneira tempo-dependente ate 72 horas. A atividade gelatinolitica da MMP-2 nao sofreu alteracao significativa neste modelo, a MMP-9 apresentou atividade aumentada em todos os tempos. A imunohistoquimica mostra ES na membrana basal glomerular, celula endotelial e vasos peritubulares. A MMP-2 e expressa nas celulas glomerulares e fibroblastos peritubulares. A imunomarcacao da MMP-9 foi citoplasmatica (difusa) e nuclear, em tubulos e glomerulos. A colocalizacao da ES e MMP-2 foi visualizada no citoplasma das celulas tubulares no rim normal, isquemico, 4,12 e 48 horas, em 12 horas de reperfusao houve colocalizacao nuclear no glomerulo. MMP-9 e ES co-localizam no rim normal, 48 e 72 horas tanto citoplasmatica quanto nuclearmente, enquanto que nos outros periodos ha co-marcacao nos nucleos tubulares, em 45 minutos de isquemia, 4 e 12 horas nas celulas glomerulares. Nos tubulos corticais a ES diminui, a MMP-2 aumenta (30%) e normaliza em 72 horas para menos de 1% dos tubulos, a MMP-9 tambem diminui e so normaliza em 72 horas (40%). Nos glomerulos, ha predominancia da MMP-2, a ES e pouco presente atingindo pico em 4 horas para 40%; a MMP-2 aumenta ate 4 horas (90%), e diminui para 30% em 72 horas; a MMP-9 apresenta aumento de mais de 30% (normal) para 50% em 24 horas, reduzindo para menos de 1 % em 72 horas. Nos tubulos medulares a ES esta em 70% no normal diminuindo nos outro periodos, a MMP-2 aumenta do rim normal ate 12 horas (30%), reduz em 24 horas (20%), aumenta em 48 hs (30%) e e praticamente ausente em 72 horas (< 1%); a MMP-9 diminui ate 12 horas (12%) e em 48 horas (2%), aumenta em 24 hs (> 20%) e normaliza em 72 horas (40%). Este estudo indica que a MMP-9 pode estar envolvida na clivagem do colageno XVIII renal e na liberacao da ES. Portanto, essas duas moleculas parecem compor um novo mecanismo de resposta celular (ligada a matriz) nesse modelo de injuria renal pt
dc.format.extent 64 p.
dc.language.iso por
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rights Acesso restrito
dc.subject Animais pt
dc.subject Lesão Renal Aguda pt
dc.subject Sistema Imunológico/anatomia & histologia pt
dc.subject Endostatinas pt
dc.subject Metaloproteinase 2 da Matriz pt
dc.subject Metaloproteinase 9 da Matriz pt
dc.subject Camundongos pt
dc.title Analise imunohistologica da Endostatina, MMP-2 e MMP-9 em rins de camundongos submetidos a isquemia e reperfusao pt
dc.title.alternative Immunohistological analysis of Endostatin, MMP-2 and MMP-9 in ischemic/reperfused kidney of mice en
dc.type Tese de doutorado
dc.identifier.file epm-3110811544264.pdf
dc.description.source BV UNIFESP: Teses e dissertações
unifesp.campus Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, Programa de Pós-graduação em Nefrologia pt
dc.subject.decs Animais pt



File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search


Browse

Statistics

My Account