Fatores prognósticos na perda auditiva neurossensorial súbita idiopática

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2012
Autores
Bogaz, Eduardo Amaro [UNIFESP]
Orientadores
Penido, Norma de Oliveira [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A perda auditiva neurossensorial subita idiopatica e definida pela queda dos limiares auditivos tonais de, pelo menos, 30 dB em tres frequencias contiguas em ate 72 horas e apesar de uma investigacaoapropriada, a etiologia da lesao nao e encontrada. Diferentes tipos de tratamentos ja foram idealizados para a perda auditiva eurossensorial subita idiopatica, no entanto, o unico que encontra evidencia na literatura e o uso de corticosteroide sistemico ou intratimpanico. Varios fatores prognosticos ja foram investigados sem cosenso na literatura. Objetivo: Avaliar quais fatores prognosticos sao importantes no paciente com diagnostico de perda auditiva neurossensorial subita idiopatica. Metodo: Estudo observacional de coorte. Foram avaliados 127 pacientes com perda auditiva neurossensorial subita idiopatica provenientes do ambulatorio da Universidade Federal de São Paulo entre os anos de 2000 e 2010. Foi avaliado a correlacao prognostica dos fatores: idade, genero, vertigem, zumbido, grau de perda auditiva inicial, comorbidades, audicao na orelha contralateral, tipo de curva udiometrica, tempo para inicio de tratamento. Resultados: As taxas de recuperacao absoluta e relativa foram 23,6 dB e 37,2% respectivamente. Apresentaram melhora completa 15,7% dos pacientes, 27,6% apresentaram melhora significativa e 57,5% melhora. Conclusao: a presenca de vertigem, perda auditiva profunda inicial e audicao alterada na orelha contralateral correlacionaram-se com pior prognostico. Alem disso, pacientes sem zumbido na avaliacao inicial apresentaram pior recuperacao auditiva. A idade, genero, tipo de curva audiometrica inicial e presenca de comorbidades nao correlacionaram-se com prognostico
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2012. 110 p.