Show simple item record

dc.contributor.authorBermudez Aza,Elkin Hernan [UNIFESP]
dc.date.accessioned2015-12-06T23:45:33Z
dc.date.available2015-12-06T23:45:33Z
dc.date.issued2012
dc.identifier.citationSão Paulo: [s.n.], 2012. 60 p.
dc.identifier.urihttp://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22229
dc.description.abstractO HIV-1 apresenta uma alta diversidade genetica, resultado principalmente de sua alta taxa de replicacao e das caracteristicas da atividade de sua Transcriptase Reversa. Existem poucos estudos sobre os subtipos de HIV e de resistencia transmitida e secundaria aos medicamentos antirretrovirais em amostras de homens que tem sexo com homens (HSH) no Brasil. Com a finalidade de estudar as caracteristicas virologicas, foram empregadas amostras de voluntarios das cinco regioes brasileiras selecionados atraves da metodologia de respondent driven sampling (RDS). Analisamos a diversidade genetica do HIV e a prevalencia de mutacoes associadas com resistencia antirretroviral em HSH nas cinco regioes geograficas do Brasil. Usando RDS foram recrutados e entrevistados 3.515 HSH em 10 cidades. Destes, 299 (9,5%) eram infectados com HIV e 178 concordaram em testes de genotipagem. Nos descrevemos neste trabalho os resultados de 162 amostras; os subtipos mais comuns foram: B (81,4%), C (7,4%), F (4,3%), D (0,6%) e formas recombinantes (6,2%). Especificamente de 143 pessoas cujas amostras foram adequadas para analise e tinham disponiveis dados epidemiologicos: 44 (30,8%) tinham recebido terapia antirretroviral (ART) (AE) e 99 (69,2%) eram ART-naive (AN). Apos o sequenciamento nas regioes da transcriptase reversa e protease do virus, a analise para mutacoes de resistencia foi feita usando os parametros da OMS. A prevalencia da resistencia primaria foi de 21,4%, isto e, entre os NA; e a de resistencia secundaria foi de 35,8% (isto e, entre os AE). A prevalencia de resistencia a inibidores de protease (IP) foi de 3,9% (AN) e 4,4% (AE); para inibidor da transcriptase reversa analogo de nucleosideos (NRTI) 15,0% (AN) e 31,0% (AE) e para inibidor da transcriptase reversa nao analogo de nucleosideos (NNRTI) 5,5% (AN) e 13,2% (AE). A mutacao de resistencia mais comum para NRTIs foi 184V (17 casos) e para NNRTIs: 103N (16 casos). Nossos dados sugerem um alto nivel de resistencia transmitida em HSH no Brasil. Estudos epidemiologicos desenhados para medir a prevalencia de resistencia primaria nesta populacao sao necessarios para identificar os correlatos e as causas da resistencia antirretroviral para poder limitar o desenvolvimento de resistencia nesta e outras populacoespt
dc.format.extent60 p.
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rightsAcesso restrito
dc.subjectMasculinopt
dc.subjectHIV-1pt
dc.subjectFarmacorresistência Viralpt
dc.subjectHomossexualidade Masculinapt
dc.subjectAmostragempt
dc.titleAvaliacao de resistencia antirretroviral em populacao de homens que tem sexo com homens em estudo multicentrico no Brasil por Respondent Driven Samplingpt
dc.title.alternativeEvaluation of Antiretroviral Resistance in population of Men who have sex with Men in a Multicenter study in Brazil by Respondent Driven Samplingen
dc.typeTese de doutorado
dc.identifier.fileepm-2111914354861.pdf
dc.description.sourceBV UNIFESP: Teses e dissertações
unifesp.campusUniversidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, Departamento de Infectologiapt
dc.subject.decsMasculinopt


Files in this item

FilesSizeFormatView

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record