Vitamina A, estresse oxidativo, inflamacao e componentes da sindrome metabolica em criancas obesas com asma

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2011
Autores
Ferreira, Carla Acatauassu [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introdução: O excesso de peso em criancas e adolescentes associa-se na asma com piora dos sintomas, exacerbacoes e maior procura por servicos de emergencia, alem disso, favorece o desenvolvimento futuro de outras doencas cronicas. Varios tem sido os mecanismos descritos entre os quais se destacam a inflamacao e a reducao das defesas antioxidantes com consequente estresse oxidativo. Objetivo: Determinar as concentracoes plasmaticas de vitamina A, malondialdeido, proteina C reativa ultrassensivel e os componentes da sindrome metabolica de criancas e adolescentes obesos com e sem asma, relacionando-as a gravidade da asma. Metodos: Este estudo transversal controlado avaliou 34 criancas e adolescentes obesos com asma (GOA) e 27 obesos sem asma (GO), pareados por genero, idade e escore z do indice de massa corporal. Foram avaliadas: funcao pulmonar, gravidade e controle da doenca, estado nutricional, consumo alimentar, concentracoes plasmaticas de vitamina A, perfil lipidico, tolerancia oral a glicose, malondialdeido (MDA) e proteina C reativa ultrassensivel (PCRus). Para analise estatistica foram empregados os seguintes testes: Qui quadrado, ANOVA, Teste t-Student e Mann-Whitney (p<0,05). Resultados: A media de idade dos grupos foi 134,2±32,6 meses. No GOA predominou o genero masculino 25/34 (73,5%) e a forma persistente moderada/grave 23/34 (67,6%). Todos os asmaticos eram atopicos. Nao houve diferenca entre GOA e GO para componentes da sindrome metabolica, inflamacao, concentracoes medianas de retinol, malondialdeido e defiCiência de retinol. As concentracoes de betacaroteno foram superiores no GOA comparativamente ao GO (0,30 vs 0,15 &#956;mol/L; p=0,006). Nao houve diferenca entre os grupos em relacao ao consumo de energia, macronutrientes, retinol e beta-caroteno. Ao analisarmos o GOA estratificado segundo a gravidade da asma, observamos que todas as criancas e adolescentes com concentracoes de retinol inferiores a 1,05 &#956;mol/L (n=4) estavam no grupo com asma mais grave e que havia diferenca para os valores medianos de retinol entre o grupo com asma de maior e menor gravidade (1,5 vs 2,0 &#956;mol/L; p=0,026). Conclusao: Nao houve diferenca entre os grupos para concentracoes plasmaticas de retinol, inflamacao, estresse oxidativo e componentes da sindrome metabolica. As concentracoes plasmaticas de betacaroteno foram mais elevadas no GOA. A associacao de menores concentracoes plasmaticas de retinol com maior gravidade da asma sugere consumo dessa vitamina no processo de remodelamento da via aerea
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2011. 67 p.