Rastreamento de diversos tipos de imunodefiCiências primarias em pacientes com lupus eritematoso sistemico

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2012
Autores
Perazzio, Sandro Felix [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introdução: O Lupus Eritematoso Sistemico (LES) e sabidamente associado com defiCiência de C1q, C4 e C2. Existe maior prevalencia de lesoes discoides (2,7%) e LES (0,5%) na Doenca Granulomatosa Cronica (DGC). A DefiCiência Seletiva de IgA foi associada com LES formas juvenil (5,2%) e adulta (2,6%). Cerca de 25% dos pacientes com ImunodefiCiência Comum Variavel (IDCV) desenvolvem manifestacoes autoimunes, incluindo LES. Apesar de haver relatos de ImunodefiCiências Primarias (IDP) individuais em LES, nao ha estudos sistematicos em adultos estimando a fracao de lupicos que apresentem qualquer IDP. Objetivos: 1) Estimar a importancia relativa da presenca de IDP no LES mediante pesquisa de um conjunto de IDP. 2) Comparar as caracteristicas clinicas dos pacientes lupicos com e sem evidencias de IDP. Materiais e metodos: 300 pacientes LES (de acordo com os criterios de 1997 do Colegio Americano de Reumatologia) e 301 doadores de sangue foram avaliados clinicamente e submetidos a dosagem do complemento total hemolitico (CH100), C2, C3, MBL, determinacao do numero de copias de genes de C4A e B, mensuracao serica dos isotipos de imunoglobulinas e subclasses de IgG e quantificacao da explosao respiratoria de neutrofilos. Aqueles que apresentaram alguma alteracao indicativa de IDP foram submetidos a uma nova avaliacao em 60 dias para confirmacao. Para os casos com reducao de C2 serico, foi realizada a genotipagem por PCR para confirmacao. Aqueles com reducao isolada de CH100 foram submetidos a determinacao de niveis sericos de C1q. Casos com exames alterados e em quem a doenca estava ativa foram seguidos e submetidos a repeticao dos exames em fase de remissao ou excluidos do estudo se esta nao fosse atingida ate o final do projeto. O diagnostico de IDP foi definido de acordo com o o2009 International Union of Immunological Societies Expert Committee on Primary Immunodeficiencieso. Resultados: Foram encontrados 84 pacientes e 10 controles sadios com diagnostico de IDP (p<0,001). Considerando qualquer exame alterado, incluindo baixos niveis sericos de IgE e/ou MBL, esta frequencia foi ainda maior (53%), mas tambem houve consideravel aumento da prevalencia no grupo controles sadios (35,9%). O grupo LES apresentou frequencia mais alta de IDP simultaneas. Nos pacientes, houve frequencia significativamente maior de DefiCiência de IgM (DIgM; n=24=8%) e defiCiência de subclasses (DSubIgG), especialmente IgG2 (n=37=12,3%), IgG3 (n=24=8%) e IgG4 (n=11=3,6%). Encontramos apenas uma paciente com padrao compativel com status de carreadora do gene mutado para DGC (0,33%). Nao foram encontrados casos de IDCV, DGC, Sindrome Hiper-IgM, Sindrome Hiper-IgE, defiCiência de C2, C1q e C4 nesta serie. Como esperado, houve alta frequencia de hiperimunoglobulinemia nos lupicos (44% vs 10%, p<0,001), porem apenas devido a IgA (n=75) e IgG (n=106). Os niveis sericos de IgA e IgG foram significativamente mais elevados no grupo LES, enquanto os de IgM e IgE foram mais baixos, comparados aos controles sadios. Houve ainda a reducao isolada de C3 em um paciente. Os pacientes apresentaram menos copias de C4 total, em especial C4A. Os subgrupos de lupicos com e sem evidencia de IDP nao diferiram entre si quanto as manifestacoes clinicas, infeccoes, uso de imunossupressores, idade de inicio da doenca, duracao da doenca, presenca de comorbidades, SLEDAI e indice de dano do SLICC. Os pacientes com DIgM e os com >2 copias de C4A apresentaram-se com maior frequencia de ulceras orais, enquanto aqueles com DSubIgG com mais nefropatia lupica, em especial os casos de DIgG3 e DIgG4. Conclusoes e Discussao: Houve alta frequencia de IDP em geral no LES (28%), sugerindo que um estado de imunodefiCiência pode representar um fator de risco para a doenca. A presenca de IDP per se nao caracterizou diferenca no fenotipo do LES, mas as defiCiências de IgM e de subclasses de IgG associaram-se com manifestacoes especificas da doenca. A frequencia inesperadamente alta de DIgM e DSubIgG parece indicar um aspecto intrigante da fisiopatologia do LES, uma vez que tais Ig sao importantes para a formacao de imunocomplexos e o clearance de patogenos e corpos apoptoticos. Baixos niveis desses componentes podem induzir a um estado de hiperestimulo imunologico e favorecer o desenvolvimento da autoimunidade em individuos geneticamente predispostos. Nossos resultados sugerem que em uma fracao expressiva dos pacientes com LES a fisiopatologia da enfermidade esteja associada a um estado subjacente de imunodefiCiência
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2012. 138 p.
Coleções