Farmacogenômica da doença de Alzheimer na população de São Paulo: a rivastigmina, donepezil e galantamina e polimorfismos de acetilcolinesterase, colina acetiltransferase, receptores nicotínicos e apoe4, como fator de resposta ao tratamento de pacientes com doença de Alzheimer

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2012
Autores
Braga, Ianna Lacerda Sampaio [UNIFESP]
Orientadores
Smith, Marilia de Arruda Cardoso [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A Doenca de Alzheimer (DA) e uma doenca neurodegenerativa, progressiva e irreversivel. A DA de acometimento precoce e em geral familiar e exibe padrao de heranca autossomica dominante enquanto que a DA de acometimento tardio esta associada a casos esporadicos, heranca complexa e elevada herdabilidade. A investigacao das vias de neurotransmissao na DA identificou deterioracao nas vias da acetilcolina (ACh), sendo que a degeneracao de neuronios colinergicos e um dos primeiros acontecimentos no curso da DA e esta relacionada ao declinio da atividade cognitiva. Foram avaliadas as frequencias genotipicas, alelicas e o Equilibrio de Hardy-Weinberg, dos polimorfismos da via da ACh: rs6494223 do gene do receptor nicotinico alfa 7(α7 nAChR), o rs733722 do gene da Colina Acetiltransferase (ChAT) e rs2571598 do gene da acetilcolinesterase (AChE), e os polimorfismos (rs429358 e rs7412) do gene da APOE, do metabolismo lipidico. Bem como avaliada a resposta ao tratamento farmacologico a inibidores da acetilcolinesterase (iAChE) de 205 pacientes com DA com a presenca dos polimorfismos dos genes citados. O DNA dos pacientes foi extraido a partir do sangue periferico total coletado. A genotipagem dos polimorfismos dos genes α7 nAChR, ChAT e AChE foi realizada por meio da tecnica de PCR-RFLP, enquanto que a deteccao dos alelos ε2, ε3 e ε4 do gene da APOE foi feita por PCR em Tempo Real. As frequencias alelicas e genotipicas foram determinadas e as amostras de todos os genes avaliados estavam em equilibrio de Hardy-Weimberg. Foi observado que o alelo polimorfico T do gene α7 nAChR mostrou associacao com uma melhor resposta aos 6 meses do inicio do tratamento por iAChE em pacientes com DA na fase inicial (MEEM>20) (p=0,0021). E que individuos com DA mais avancada (MEEM ≤ 20) que possuam o alelo ancestral C do gene da ChAT respondiam melhor ao tratamento com iAChE. Dessa forma, pode-se sugerir que estes polimorfismos predispoem a uma melhor resposta a droga e podem ser possiveis marcadores sanguineos para a resposta a esse tratamento da DA
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2012. 71 p.