Show simple item record

dc.contributor.advisorLópez, Fábio Ancona [UNIFESP]
dc.contributor.authorGarófolo, Adriana [UNIFESP]
dc.date.accessioned2015-12-06T23:44:27Z
dc.date.available2015-12-06T23:44:27Z
dc.date.issued2006
dc.identifier.citationSão Paulo: [s.n.], 2006. 156 p.
dc.identifier.urihttp://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21262
dc.description.abstractIntrodução: a desnutrição prejudica o prognóstico, aumenta os custos do tratamento e reduz a qualidade de vida de pacientes com câncer. Ambos, tumor e terapia têm efeitos adversos, podendo levar à necessidade de terapia nutricional. Objetivo: avaliar os resultados quanto à adesão, eficiência e eficácia da terapia nutricional protocolada, por meio de suplementação oral e sonda nasoenteral, utilizando-se um algoritmo desenvolvido para crianças e adolescentes com tumores malignos durante o tratamento antineoplásico. Casuística e métodos: tratou-se de um ensaio clínico desenvolvido no Instituto de Oncologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo. Foram incluídos pacientes com desnutrição leve e grave e idade superior a um ano, de janeiro de 2002 a janeiro de 2004. O principal critério de exclusão foi o uso de corticosteróide. O acompanhamento foi realizado de acordo com um algoritmo. Os desnutridos leves foram randomizados para receberem suplementação oral industrializada ou não industrializada (artesanal), sendo seguidos por três semanas para a 1° reavaliação. Dependendo da resposta no grupo com suplemento industrializado, estes tiveram indicação de sonda ou mantiveram suplementação oral e foram reavaliados nas semanas 8 e 12, segundo os mesmos critérios da semana três. Caso o paciente estivesse eutrófico, a suplementação oral era suspensa. Aqueles com desnutrição leve que receberam suplemento artesanal com resposta positiva permaneceram com a mesma orientação por 8 e 12 semanas e foram reavaliados. Se a resposta foi negativa, os pacientes iniciaram com suplementação oral industrializada. Nos pacientes com desnutrição grave, a resposta negativa indicou a sonda. Porém, se a resposta era positiva, mantinha-se a suplementação industrializada por 8 e 12 semanas, porém se eutrofia, o suplemento era suspenso e o acompanhamento mantido. O suplemento oferecido foi Nutren Jr e Nutren 1.0 para cobrir 45 por cento e 100 por cento das RDAs/kg/dia para suplementação oral e sonda nasoenteral, respectivamente. Orientação dietética padronizada foi realizada concomitantemente. Os indicadores nutricionais utilizados para a avaliação das respostas foram: escore-z de peso para estatura, índice de massa corpórea, prega cutânea triciptal, circunferência do braço e circunferência muscular do braço. Resultados: cento e dezessete pacientes de 141 completaram três semanas de acompanhamento; 58 tinham desnutrição grave e 59 leve. Evolução nutricional positiva foi observada em 41 por cento dos graves, em 97 por cento dos desnutridos leves que receberam suplementação industrializada e em 77 por cento dos que receberam suplemento não industrializado. A suplementação oral industrializada, bem como o grau da gravidade de desnutrição, apresentou associação com a resposta nutricional. Dos 117 pacientes que completaram o estudo, 47 tiveram indicação de sonda; 23 usaram-na e 19 mantiveram a suplementação oral industrializada por se recusarem a utilizar a sonda. O tempo médio de permanência com sonda foi 5.78 :!: 4.99 semanas. Os pacientes que usaram sonda apresentaram um consumo do suplemento industrializado superior ao grupo que se recusou a usá-la e manteve-se com suplemento via oral; o consumo de suplemento com a sonda também foi superior ao período que a antecedeu, comparando-se os mesmos pacientes. O uso de sonda nasoenteral demonstrou evolução nutricional positiva entre as semanas zero até sua última semana de uso, sendo possível observar uma associação positiva significante entre a duração do uso da sonda e os indicadores do estado nutricional. Conclusão: a suplementação oral industrializada foi capaz de minimizar o déficit nutricional, principalmente entre desnutridos leves, sendo a desnutrição grave mais associada com o pior desfecho nutricional. Esses resultados também sugerem que a sonda nasoenteral favoreceu a recuperação nutricional nesse grupo de pacientes, demonstrando que, quanto maior o tempo de uso, melhores são os resultados.
dc.format.extent156 p.
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rightsAcesso restrito
dc.subjectNeoplasiaspt
dc.subjectTerapia nutricionalpt
dc.subjectDesnutriçãopt
dc.subjectCriançapt
dc.subjectAdolescentept
dc.titleResultados da terapia nutricional enteral por meio de algoritmo em crianças e adolescentes com câncerpt
dc.title.alternativeTo study the compliance, efficiency and efficacy of the nutritional support protocol by means of oral supplementation and tube feeding, using an algorithm performance to children and adolescent with cancer during this treatmenten
dc.typeTese de doutorado
dc.identifier.fileepm-20061023105242GARCIA.pdf
dc.description.sourceBV UNIFESP: Teses e dissertações
unifesp.campusSão Paulo, Escola Paulista de Medicina (EPM)pt
unifesp.graduateProgramNutrição


Files in this item

FilesSizeFormatView

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record