Alterações morfológicas dentais analisadas por meio de radiografias panorâmicas em crianças portadoras de câncer após tratamento por quimioterapia e/ou radioterapia

Show simple item record

dc.contributor.advisor Lederman, Henrique Manoel [UNIFESP]
dc.contributor.author Lopes, Nilza Nelly Fontana [UNIFESP]
dc.date.accessioned 2015-12-06T23:06:10Z
dc.date.available 2015-12-06T23:06:10Z
dc.date.issued 2005
dc.identifier.citation São Paulo: [s.n.], 2005. 66 p.
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/20897
dc.description.abstract Objetivo: Avaliar, por meio de radiografia panorâmica, a prevalência das alterações morfológicas dentais em crianças portadoras de câncer que foram submetidas à quimioterapia isolada e/ou quimioterapia mais radioterapia. Métodos: pacientes com câncer matriculados no 10P-GRAACC-UNIFESP/EPM, no período de março de 1996 a fevereiro de 2004, foram admitidos neste estudo retroprospectivo, não randomizado, uninstitucional. Neste período, radiografias de 310 pacientes foram solicitadas e 183 pacientes preencheram os critérios de elegibilidade. Foi avaliada a freqüência radiográfica de microdontia, taurodontia, anodontia, macrodontia, raiz rombuda e raiz atilada. Resultados: 137 (74,9 por cento) pacientes foram considerados avaliáveis e 46 (25,1 por cento) não avaliáveis. Os pacientes avaliáveis foram distribuídos em dois grupos: o de neoplasias linfoproliferativas (60,6 por cento) e o de portadores de tumores sólidos (39,4 por cento). Quanto ao sexo, 79 eram do sexo feminino e 58, do masculino. A idade média, ao início do tratamento, foi de 5 anos e seis meses. Foram encontradas anomalidades dentais em 39 (28,5 por cento) pacientes e em 98 (71,5 por cento) não se encontrou nenhuma anomalidade. As anomalidades encontradas foram: microdontia 7,3 por cento (n=10); anodontia 5,8 por cento (n=8); taurodondia 13,9 por cento (n=19); macrodontia 5,1 por cento (n=7); raiz rombuda 1,5 por cento (n=2) e raiz afilada 3,6 por cento (n=5). Destes pacientes, 21,9 por cento (n=30) tinham uma alteração; 4,4 por cento (n=6), duas alterações e 2,2 por cento (n=3), três alterações. Conclusão: a taurodontia foi a alteração mais freqüente nas crianças e adolescentes que receberam tratamento antineoplásico, sendo suas taxas significativamente superiores às da população saudável. As alterações dentais reforçam a necessidade de o odontólogo pesquisar, sistematicamente, estas alterações neste grupo especial de paciente. pt
dc.format.extent 66 p.
dc.language.iso por
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rights Acesso restrito
dc.subject Oncologia pt
dc.subject Radioterapia pt
dc.subject Radiografia panorâmica pt
dc.subject Anormalidades dentárias pt
dc.title Alterações morfológicas dentais analisadas por meio de radiografias panorâmicas em crianças portadoras de câncer após tratamento por quimioterapia e/ou radioterapia pt
dc.title.alternative The teeth morphologic altered through panoramic radiographs in children with cancer after treatment with chemotherapy and/or radiotherapy en
dc.type Dissertação de mestrado
dc.identifier.file epm-20051122110417GARCIA.pdf
dc.description.source BV UNIFESP: Teses e dissertações
unifesp.campus São Paulo, Escola Paulista de Medicina (EPM) pt



File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search


Browse

Statistics

My Account