Análise do poliformismo do gene da glutationa-S transferase M1(GSTM1), em mulheres com câncer de mama e sua interação com fatores reprodutivos e achados clínico-patológicos

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2005
Autores
Linhares, Jose Juvenal [UNIFESP]
Orientadores
Silva, Ismael Dale Cotrim Guerreiro da [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introdução: O gene para a enzima Glutationa-S-transferase M1 (GSTM1) está relacionado com a metabolização de carcinógenos e o seu polimorfismo ocorre devido à deleção gênica. Recentemente, foi mostrado que o GSTM1 participa da ativação de genes citoprotetors . Do ponto da vista do metabolismo hormonal, é importante mencionar que o GSTM 1 está envolvido na peroxidação dos estrogênios e sua falta parece realçar a exposição dos tecidos a esse hormônio. Objetivos: Devido aos resultados contraditórios a respeito da associação entre o câncer de mama e o polimorfismo génetico para o gene GSTM 1, resolvemos investigar esta associação na população brasileira e correlacioná-Io com o hábito de fumar, história reprodutiva e achados clínico patológicos. Métodos: Um estudo do tipo caso-controle foi executado com 105 mulheres portadoras de câncer de mama e 278 controles sem a doença. A extração do DNA foi realizada de acordo com o protocolo GFX@ pela técnica de PCR-RFLP. O controle e os grupos experimentais foram comparados. A análise estatística foi avaliada pelo teste exato de Fisher ou X2. Resultados: O deleção no gene GSTM1 no grupo com câncer de mama teve uma prevalência de 32 (30.4 por cento) indivíduos com a presença da deleção. No grupo de controle, esteve presente em 104 (37.4 por cento) mulheres. Na comparação entre os dois grupos, não foi evidenciada diferença estatistica entre os grupos, com "oddis ratio (OR) de 0.74, intervalo da confiança de 95 por cento (C I) 0.45 - 1.20, P = 0.277. Conclusões: Os resultados mostraram que o polimorfismo do gene GSTM1 não conferiu um risco adiconal de câncer de mama a seus portadores. Além disso, o estudo evidenciou que o hábito de fumar, história reprodutiva e achados clínico--patológicos não modificaram o risco de câncer de mama na presença da deleção para o GSTM1.
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2005. 95 p.
Coleções