Angiografia por ressonância magnética: aspectos técnicos de um método de estudo vascular não-invasivo

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2004-02-01
Autores
Caldana, Rogério Pedreschi [UNIFESP]
Bezerra, Alexandre Sérgio de Araújo [UNIFESP]
Soares, Adriano Fleury de Faria
D'Ippolito, Giuseppe [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Early magnetic resonance angiography techniques used flow-sensitive sequences to obtain contrast of the vascular structures. Three techniques are based on this approach: phase-contrast, time-of-flight and black blood techniques. However, these acquisition methods are time-consuming and more susceptible to movement artifacts, flow-related artifacts and signal loss due to stenotic lesions. They also present low sensitivity for slow flow detection. The use of paramagnetic contrast medium in magnetic resonance angiography studies provides a simple and quick way of obtaining vascular enhancement. Image contrast is based on vascular enhancement in opposition to background suppression. Important factors for the technical improvement of gadolinium-enhanced magnetic resonance angiography include modern techniques of central k-space ordering that are responsible for high image contrast, and implementation of appropriate timing injection. Gadolinium-enhanced magnetic resonance angiography is a useful diagnostic tool for investigation of anatomical anomalies, stenotic and occlusive disease, and surgical complications, particularly in patients with organ transplants. Gadolinium-enhanced magnetic resonance angiography has the advantage of a noninvasive method since it does not require ionizing radiation or an iodine contrast medium, and allows the evaluation of parenchymatous structures for additional diagnostic information.
As primeiras técnicas de angiografia por ressonância magnética (angio-RM) utilizavam seqüências sensíveis ao fluxo sanguíneo para estabelecimento do contraste vascular. Há três técnicas fundamentadas neste princípio: contraste de fase (phase-contrast), TOF (time-of-flight) e as técnicas de sangue escuro (black blood). Estas seqüências, de aquisição demorada, são mais suscetíveis a artefatos de movimento, perda de sinal em áreas de estenoses ou turbilhonamento de fluxo, e apresentam ainda baixa sensibilidade à detecção do fluxo lento. O uso do contraste paramagnético para estudos angiográficos pela ressonância magnética ofereceu um método simples, rápido e de excelente detalhamento vascular, baseando o contraste da imagem no realce do sinal vascular em oposição à supressão dos demais tecidos. Metodologias modernas que priorizam a obtenção do espaço k central, responsável pelo contraste da imagem, e o aperfeiçoamento das técnicas de planejamento do intervalo temporal para aquisição dos dados foram fatores fundamentais para o aprimoramento técnico da angio-RM. O papel atual da angio-RM como ferramenta diagnóstica merece destaque na avaliação de anomalias anatômicas, estenoses, oclusões e complicações vasculares pós-cirúrgicas, principalmente nos casos de transplantes de órgãos. Suas principais vantagens estão na não utilização do contraste iodado ou radiação ionizante, rapidez e fácil execução, mínima invasividade e possibilidade de avaliar complementarmente o parênquima de órgãos adjacentes de interesse diagnóstico.
Descrição
Citação
Radiologia Brasileira. Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, v. 37, n. 1, p. 41-50, 2004.
Coleções