Estresse oxidativo em portadores de doenca pulmonar obstrutiva cronica usuarios e nao usuarios de oxigenoterapia domiciliar

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2003
Autores
Silva, Camille Rodrigues da [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A doenca pulmonar obstrutiva cronica' (DPOC) apresenta morbimortalidade crescente no mundo, sendo sem duvida o tabagismo seu fator causal mais importante. Nas ultimas decadas, tem-se concentrado esforcos no estudo da fisiopatologia da DPOC, sendo que a inflamacao neutrofilica e o estresse oxidativo tem sido responsabilizados como fatores desencadeadores e propagadores das lesoes moleculares e estruturais pulmonares da doenca. As especies reativas toxicas do oxigenio (ERTO) sao substancias formadas a partir do oxigenio molecular e apresentam-se como moleculas reativas capazes de promover instabilidade quimica ao seu redor, quando presentes. As ERTO e outros radicais livres, quando presentes em excesso no organismo humano, sao capazes de produzir lesao celular, gerando dano ou estresse oxidativo. 0 objetivo deste trabalho foi comparar o estresse oxidativo em portadores de DPOC grave, usuarios e nao usuarios de oxigenoterapia domiciliar prolongada (ODP). Sabendo que a administracao de oxigenio potencializa a liberacao de ERTO e a administracao de ODP, quando corretamente indicada, promove melhora na qualidade e sobrevida destes pacientes, avaliamos os danos oxidativos presentes na administracao aguda do oxigenio e as diferencas entre os grupos de pacientes estudados. Foram estudados 32 pacientes, sendo 19 nao usuarios de ODP (17 homens; 2 mulheres) e 13 usuarios de ODP (11 homens; 2 mulheres). Os grupos estudados eram semelhantes, sendo o grupo usuarios de ODP um pouco mais jovem (61,3 n 13,2; vs 68,6 n 7,3 anos; p=0,053), alem do grupo usuario de ODP apresentar volume expiratorio forcado no primeiro segundo (VEF,) pior (0,86 n 0,3; vs 1,11 n 0,3 L; p<0,05), e maior deficit de trocas gasosas (54,7 n 9,7; vs 72,1 n 10,1 mmHg; p<0,05). Nao houve diferenca no indice de massa corporea (IMC), tabagismo pregresso ou anos sem fumar entre os grupos. Avaliamos o estresse oxidativo atraves de dosagem serica dos...(au)
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2003. 74 p.
Coleções