Soroprevalencia das infeccoes pelos virus das hepatites A, B, C e fatores de riscos associados em adolescentes infratores no estado do Para

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2002
Autores
Oliveira Filho, Odilon Bittencourt [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Este estudo teve como objetivo as avaliacoes das prevalencias e os fatores de risco associados as infeccoes pelos virus das hepatites A, B e C, em adolescentes masculinos infratores do Estado do Para, com idades entre 12 a 18 anos, assistidos pela Fundacao da Crianca e do Adolescente do Para (FUNCAP). I Atraves de aplicacao de questionarios, exame fisico e deteccao de marcadores sorologicos para as hepatites A, B e C (antiHAV IgG, HBsAg, antiHBc, antiHBe, antiHBs e antiHCV) foram avaliados 290 adolescentes. i A prevalencia de infeccao previa pelo virus do hepatite A foi de 96,2 por cento e se relacionou com o nivel de escolaridade (p=0,001), renda familiar (p=0,0004), numero i de comodos das residencias (p=0,03), disponibilidade de esgoto sanitario (p=0,001), tambem com idade de inicio da atividade sexual (p= 0,002), numero de parceiros sexuais (p= 0,02) e o uso de preservativos (p=0,03). A prevalencia de infeccao pelo virus da hepatite B foi de 6,2 por cento. A imunidade naturalmente adquirida ocorreu em 5,5 por cento dos menores, enquanto a imunidade induzida por vacinacao estava presente em 1,4 por cento deles. Permaneceram com infeccao ativa 0,7 por cento do total dos adolescentes ou 11,3 por cento dos adolescentes com marcadores sorologicos positivos para infeccao pelo HBV. A infeccao natural ocorreu somente a partir da faixa etaria de 15 anos e relacionou-se com o numero de parceiros sexuais (p=0,016) e relato de DST previa (p=0,0005). Nao houve nenhum caso de soropositividade para os marcadores de infeccao pelo HBV entre os adolescentes que ainda nao tinham iniciado atividade sexual ou aqueles que relataram usar sempre preservativos em suas relacoes sexuais. Nao foi detectado nenhum caso de soropositividade ao antiHCV realizado atraves do Elisa 3a geracao. Vacinar contra hepatite B os menores infratores recolhidos a FUNCAP pode ser importante medida de Saúde publica, visando proteger nao so os menores atendidos, mas seus parceiros sexuais. Aproveitar sua permanencia na FUNCAP para atividades educativas e informativas pode ser importante estrategia para prevenir danos a Saúde para esses menores
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2002. 85 p.
Coleções