Proposta de estadiamento topográfico para papilomatose laríngea

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2003-08-01
Autores
Avelino, Melissa Ameloti Gomes [UNIFESP]
Pontes, Paulo A.l. [UNIFESP]
Weckx, Luc Louis Maurice [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Laryngeal Papillomatosis is a disease that most often affect the true vocal folds, epiglottis, false vocal folds and may extend in the entire larynx. There isn't a consensus about a classification of the site and intensive of the lesions. AIM: To propose a staging based on the classification of the site and intensity of the lesions in the larynx that can have easily application for the physician. STUDY DESIGN: Clinical prospective. MATERIAL AND METHOD: We divided the larynx in three sites: supraglottis (S), glottis (G) and infraglottis (I); and in four degree of extension. Classification: S1 (focal lesion), S2 (less than 2/3 of extension of the lumen), S3 (more than 2/3 of extension) and S4 (obstructive lesion or tracheotomy); G1 (focal lesion on the fold or on the anterior or posterior commissure - less than 1/3 of extension), G1a (only one vocal fold) G1b (both vocal folds), G2 (more than 1/3 extension of the vocal fold), G2a (only one vocal fold), G2b (both vocal folds), G3 (more than 2/3 extension of the vocal fold) and G4 (obstructive lesion or tracheotomy); I1 (focal lesion), I2 (less than 2/3 extension of the lumen), I3 (more than 2/3 extension of the lumen), and I4 (obstructive lesion or tracheotomy). Based on this topographic classification we obtain 4 stages: I, II, III e IV. We evaluated 74 laryngoscopes of 10 patients with laryngeal papillomatosis before and after the treatment with cidofovir to establish the viability of the staging. RESULTS: All the exams could be submitted to the classification and staging. CONCLUSION: We concluded that the staging proposed was viable on the studied population.
A papilomatose laríngea (PL) é uma doença que acomete principalmente as pregas vocais, epiglote e pregas vestibulares, mas pode atingir a laringe em toda sua extensão. Até o momento não existe consenso sobre como estadiar o local e a intensidade das lesões papilomatosas. OBJETIVO: Propor um estadiamento a partir da classificação do local e intensidade das lesões na laringe, que seja abrangente, de fácil entendimento e aplicação clínica pelo otorrinolaringologista. FORMA DE ESTUDO: Clínico prospectivo. MATERIAL E MÉTODO: Partimos da divisão da laringe em três níveis: supraglote (S), glote (G) e infraglote (I); e da adoção de quatro graus de acometimento, de 1 (leve) a 4 (mais intenso). Classificação proposta: S1 (lesão focal), S2 (menos de 2/3 de extensão da luz), S3 (mais de 2/3 da luz), S4 (obstrutiva ou traqueotomia); G1 (focal em prega vocal ou com.anterior ou posterior - menos de 1/3 de extensão da prega), G1a (em 1 prega vocal) G1b (nas duas pregas), G2 (mais de 1/3 de extensão), G2a (em 1 prega vocal), G2b (nas duas pregas), G3 (mais de 2/3 extensão), G3a (1 prega vocal), G3b (nas duas pregas), G4 (lesão obstrutiva ou traqueotomia); I1(focal), I2 (menos 2/3 extensão da luz), I3 (mais de 2/3 extensão) e I4 (obstrutiva ou traqueotomia). Baseando-se nesta classificação topográfica, obtivemos 4 estádios: I, II, III e IV. Realizamos avaliação de 74 laringoscopias de 10 pacientes com PL antes e após o tratamento com cidofovir para constatar a viabilidade desta proposta de estadiamento. RESULTADOS: Todos os 74 exames analisados puderam ser submetidos à classificação e estadiamento. CONCLUSÕES: Concluímos que o estadiamento proposto apresentou viabilidade perante a população estudada.
Descrição
Citação
Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. ABORL-CCF Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, v. 69, n. 4, p. 452-456, 2003.