Show simple item record

dc.contributor.advisorJardim, José Roberto [UNIFESP]
dc.contributor.authorRamos, Dionei [UNIFESP]
dc.date.accessioned2015-12-06T23:01:42Z
dc.date.available2015-12-06T23:01:42Z
dc.date.issued2001
dc.identifier.citationSão Paulo: [s.n.], 2001. 100 p. ilustab.
dc.identifier.urihttp://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17514
dc.description.abstractForam estudadas amostras de muco expectorado após nebulizaçao com N-acetilcisteína (NAC 10 por cento), _ soluçao salina hipertônica (S.S.H_1,5 por cento), soluçao salina, isotônica (S. S.1. 0,9 por cento)e água destilada (AGD.) em suas propriedades reológicas através do estudo da viscoelásticidade do muco brônquico. Ausculta pulmonar, alteraçoes clínicas, bem como,, na quantidade e qualidade do muco expectorado também foram analisadas. Para tanto vinte e quatro pacientes portadores de bronquiectasias cilíndricas e ou varicosas provenientes do ambulatório da Disciplina de Pneumologia da UNIFESP - EPM e da UNESP (Campus de Presidente Prudente), com média de idade de 52 anos foram submetidos, a umas sessko de aerossolterapia diária, em quatro dias consecutivos, utilizando-se em cada dia uma única soluçao por um período de vinte minutos. A funçao pulmonar foi estudada, pela espirometria no dia. da avaliaçao. A quantidade de muco coletado antes e após cada sessao foi registrada, bem como a relaçao peso seco/ peso úmido de cada amostra coletada. As propriedades viscoelasticas do muco pré e pós-aerossolterapia foram observadas pela análise com viscosímetro duplo capilar. Com relaçao a clínica, averiguamos alteraçoes somente quando os pacientes receberam inalaçao com soluçao salina. hipertônica (1,5 por cento), sendo que as mais evidentes foram síbilos, tosse irritativa sem expectoraçao e queixas de mal estar geral durante a inalaçao. Nao houve diferença significante nos resultados para a densidade urinária demonstrando que todos os pacientes apresentaram-se em iguais condiçoes de hidrataçao. Em relaçao ao volume de muco expectorado verificamos que a soluçao salina isotônica (0,9 por cento) mostrou, ao nosso ver, o efeito mais interessante com aumento gradativo e significante (P<0,01) do volume de muco expectorado ao longo de, todos os momentos analisados. As substâncias quando comparadas nao determinaram modificaçoes na viscosidade nem no módulo elástico do muco expectorado após inalaçao (P>O,05). A comparaçao entre os momentos estudados para cada substância isoladamente mostra uma reduçao gradativa da viscosidade ao longo do tempo para a NAC. (10 por cento), mostrando que a substância. realmente, atua na reduçao das pontes de dissulfeto e conseqüentemente, reduz a viscosidade do muco, e também foi á única substância com reduçao significante (f<0,0005) da elasticidade imediatamente após a inalaçao. O equipamento viscosímetro duplo capilar mostrou ser ...(au).pt
dc.format.extent100 p.
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rightsAcesso restrito
dc.subjectMucopt
dc.subjectAerossóispt
dc.subjectAcetilcisteínapt
dc.titleEfeitos da aerossolterapia nas propriedades reológicas do muco brônquico, verificados pela análise da viscoelasticidade do muco expectorado de pacientes bronquiectásicospt
dc.title.alternativeEffects of aerossolterapia in the proprieties reologicas verified by the study of the viscosity of the mucus bronquico of patients bronquiectasicosen
dc.typeTese de doutorado
dc.identifier.fileepm-017339.pdf
dc.description.sourceBV UNIFESP: Teses e dissertações
unifesp.campusSão Paulo, Escola Paulista de Medicina (EPM)pt


Files in this item

FilesSizeFormatView

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record