Caracteristicas afetivo-emocionais de adultos com queixa de cinetose

Nenhuma Miniatura disponível
Data
1999
Autores
Rossetto Junior, Jose Augusto [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Trinta adultos do sexo feminino com cinetose, cujas idades variavam entre 25 e 30 anos, foram avaliados pelo Metodo de Rorschach, segundo SILVEIRA (l985), no Ambulatorio da Disciplina de Otoneurologia do Departamento de Otorrinolaringologia e Disturbios da Comunicacao Humana da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina, com o objetivo de caracterizar os aspectos afetivos-emocionais. Os dados obtidos foram comparados aos de um grupo de 30 adultos do sexo feminino, cujas idades variaram entre 25 e 30 anos, sem queixa de cinetose e/ou outros sintomas vestibulares. A analise estatistica dos resultados revelou diferencas significativas entre os dois grupos. O grupo com cinetose demonstrou, em nivel manifesto, formula vivencial coartada, estabelecendo relacoes interpessoais superficiais, devido a inseguranca e tensao interna frente a situacoes novas, utilizando-se de defesas repressoras. Entretanto, em nivel latente, o tipo vivencial foi introversivo, caracterizando tracos narcisicos, com predominio de fantasias infantis. Essa discordancia existente entre os tipos vivenciais revelou a presenca de conflitos psiquicos. Demonstrou inflexibilidade na apreciacao da realidade externa, com rigidez mental em situacoes que exigem tomada de decisao, no entanto, quando envolvido efetivamente, houve prejuizo da apreciacao da realidade externa, acarretando julgamento parcial dos fatos, em funcao da ansiedade. O contato com a realidade ocorre de maneira insegura e tensa, utilizando-se da repressao, como defesa contra a ansiedade
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 1999. 116 p. tab.
Coleções