Da avaliação da função vestibular em pacientes com perda induzida pelo ruído: pesquisa à vectoeletronistagmografia

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2000
Autores
Castro, Jair de Carvalho e [UNIFESP]
Orientadores
Ganança, Maurício Malavasi [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Diversas consequencias de exposicao cronica a ruidos sobre o organismo humano sao conhecidas, entretanto, as alteracoes vestibulares decorrentes dessa exposicao foram tema de poucos estudos. O objetivo da presente pesquisa e verificar se os pacientes com perda auditiva induzida pelo ruido (PAIR) tem alteracoes de funcao vestibular quando analisados por meio de vectoeletronistagmografia. Este estudo analisou um grupo de 45 pacientes com perda auditiva induzida pelo ruido na faixa etaria de 24 a 60 anos por meio de anamnese, exame otorrinonaringologico, audiometria tonal e vocal, pesquisa do equilibrio estatico e dinamico, pesquisa de nistagmo e vertigem de posicao e vectoeletronistagmografia (VENG). A idade media do grupo estudado foi de 34,5 anos 7,5) e o tempo medio de exposicao ocupacional a ruidos foi de 9,9 anos 4,9). Apresentavam queixa de tonturas 55,6 por cento dos pacientes (25 casos) e 66,7 por cento de zumbidos (30 casos). Esses sintomas estiveram associados em 42,2 por cento dos pacientes (l9 casos). O exame VENG evidenciou que 31,1, por cento (l4 pacientes) apresentavam sindrome vestibular periferica irritativa e 13,3 por cento (6 pacientes) sindrome vestibular periferica deficitaria, representando uma prevalencia total de 44,4 por cento de disturbios vestibulares. Apresentaram uma maior prevalencia de disturbios vestibulares os pacientes com queixas de tontura (60 por cento) e zumbidos (56,7 por cento), em relacao aos que nao apresentavam essas queixas. Uma prevalencia elevada (73,9 por cento) de disturbios vestibulares foi observada nos pacientes com associacao das queixas de tontura e zumbidos. Observou-se uma tendencia de correlacao entre o grau de perda auditiva e a prevalencia de disturbios vestibulares, visto que 35,3 por cento (6 casos) dos pacientes com perda Grau I e 50 por cento (11 casos) dos pacientes com perda Grau II apresentavam disturbios vestibulares, Nao foi observada uma tendencia de correlacao entre a prevalencia de disturbios vestibulares e o tempo de exposicao a ruidos. Diante do observado concluimos que parcela relevante dos pacientes com PAIR apresentam alteracoes de funcao vestibular
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2000. 55 p. ilustab.