Show simple item record

dc.contributor.author Margarido, Maria do Socorro Pinheiro [UNIFESP]
dc.date.accessioned 2015-12-06T23:00:17Z
dc.date.available 2015-12-06T23:00:17Z
dc.date.issued 1999
dc.identifier.citation São Paulo: [s.n.], 1999. 142 p. tab.
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16212
dc.description.abstract Lombalgia aguda e uma importante causa de procura de cuidados medicos. O objetivo deste trabalho foi aplicar um questionario clinico que abordou a conduta diagnostica e terapeutica utilizada por medicos reumatologistas brasileiros e compara-las com guias clinicos existentes na literatura. O questionario foi composto de dois casos agudos, sendo um de lombalgia aguda nao complicada e outro de lombociatalgia. Foram preenchidos 207 questionarios. Os reumatologistas atendiam em media por semana 2,9 pacientes, trabalhavam 23,4 horas e atendiam 11,5 pacientes portadores de lombalgia. RX simples de coluna lombar e exames de laboratorio foram os mais solicitados no caso I ( 92,2 por cento e 56,4 por cento , respectivamente). No caso li, RX simples de coluna lombar foi solicitado por 65,5 por cento dos medicos que tambem solicitaram exames laboratoriais (l6,1 por cento ) e CT (69,4 por cento ). Para o caso de lombalgia aguda nao complicada, repouso no leito foi prescrito em 83,5 por cento , exercicios em casa em 43,9 por cento e fisioterapia por 87,8 por cento . Para o caso de lombociatalgia, repouso no leito foi utilizado Por 90 por cento dos medicos, exercicios em casa por 37,7 por cento e fisioterapia em 84,2 por cento . AINH foram as drogas mais prescritas seguida de analgesicos e relaxantes musculares em ambos os casos. EM contradicao, o guia lancado pela AHCPR orienta que a abordagem de casos agudos de lombalgia com ou sem irradiacao para os membros inferiores, seja a mais conservadora possivel nao havendo a necessidade de investigacao complementar a n ao ser que algum sinal de doencas graves seja detectado na historia clinica ou exame fisico. Analgesicos podem ser usados associados ou nao a AINH. Relaxantes musculares e analgesicos opioides nao estao indicados. Outras modalidades terapeuticas como tracao, TENS, acupuntura e meios fisicos nao se mostram eficazes no tratamento. Repouso prolongado de no maximo 4 dias podera ser utilizado somente nos casos de dor intensa. Fisioterapia nao devera ser introduzida na fase aguda, entretanto, tecnicas manipulativas podem ser usadas no inicio do quadro para alivio da dor. Com relacao a indicacao cirurgica, esta deve ser considerada apenas se apos tres meses os sintomas persistirem e na presenca de doencas vertebral grave ou comprometimento de raizes nervosas devido a herniacoes discais graves. Portanto, ao comparar-mos nossos dados com os dados existentes na literatura e recomendados por guias ...(au) pt
dc.format.extent 142 p.
dc.language.iso por
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rights Acesso restrito
dc.subject Dor Lombar pt
dc.subject Condutas Terapêuticas pt
dc.subject Diagnóstico pt
dc.title Lombalgia aguda pt
dc.title.alternative Acute low pain: diagnostic and therapeutical approaches by brazilian rheumatologists en
dc.type Dissertação de mestrado
dc.identifier.file epm-015911.pdf
dc.description.source BV UNIFESP: Teses e dissertações
unifesp.campus Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina pt



File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search


Browse

Statistics

My Account