Teste graduado da caminhada (Shuttle Walk Test) na avaliação funcional de pacientes com insuficiência cardíaca crônica

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2006-01-01
Autores
Pulz, Cristiane [UNIFESP]
Orientadores
Almeida, Dirceu Rodrigues de [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Objetivos: Avaliar a segurança, reprodutibilidade, a acurácia em estimar o consumo de oxigênio pico e o valor prognóstico do teste graduado da caminhada (“shuttle walk test”), em comparação com o teste da caminhada de seis minutos em pacientes com insuficiência cardíaca crônica sintomática. Métodos: Avaliamos prospectivamente 63 pacientes com insuficiência cardíaca. Todos os pacientes realizaram um teste cardiopulmonar, dois testes graduados da caminhada, dois testes da caminhada de seis minutos e foram acompanhados por um período médio de 14,01 ± 7,8 meses. Resultados: A idade média dos pacientes foi 51,28 ± 10,26 anos, a fração de ejeção 24,05 ± 5,69% e o consumo de oxigênio pico 16,79 ± 5,76ml/kg/min. As distâncias percorridas, no 1º e no 2º teste graduado da caminhada foram 414,44 ± 122,87 e 422,85 ± 119,18m, respectivamente, atestando sua ótima reprodutibilidade (ρ&#61472; = 0,979). O teste mostrou-se seguro. A distância percorrida no teste graduado da caminhada foi menor em relação ao teste da caminhada de seis minutos (p < 0,001) e o índice de percepção do esforço foi maior (p = ,029). Houve forte correlação entre as distâncias percorridas em ambos os testes (r = 0,88) e entre o teste graduado da caminhada e o consumo de oxigênio pico (r = 0,79). A acurácia em estimar um consumo de oxigênio pico menor ou igual a 14ml/kg/min foi semelhante nos dois testes. As distâncias percorridas em ambos os testes não foram preditoras de eventos e somente o consumo de oxigênio pico foi preditor de sobrevida livre de eventos. Conclusões: O teste graduado da caminhada é reprodutível, seguro e apresenta boa correlação com o teste da caminhada de seis minutos e com o consumo de oxigênio pico; mostrou-se sensível e específico em estimar um consumo de oxigênio pico inferior a 14ml/kg/min. Entretanto não foi capaz de fornecer informações sobre o prognóstico dos pacientes desta amostra.
Objectives: To access the safety, reproducibility, and accuracy at estimating peak oxygen consumption and prognostic value in shuttle walk test compared to six-minute walk test in patients with symptomatic chronic heart failure. Methods: Sixty-three patients with heart failure were prospectively assessed. All patients underwent cardiopulmonary exercise test, two shuttle walk tests, and two six-minute walk tests. Patients were followed-up for a mean period of 14.01 ± 7.8 months. Results: Mean age of patients was 51.28 ± 10.26 years old, ejection fraction was 24.05 ± 5.69%, and peak oxygen consumption was 16.79 ± 5.76ml/kg/min. Distances walked in the first and second shuttle tests were 414.44 ± 122.87 and 422.85 ± 119.18m, respectively, which proved their great reproducibility (ρ&#61472; = 0.979). The test was also safe. Distance walked in the shuttle walk test was shorter compared to that walked in six-minute walk test (p < 0.001), the perception of effort rate was greater (p = 0.029). There was a strong correlation between the distances walked in both tests (r = 0.88), and between shuttle walk test distance and peak oxygen consumption (r = 0.79). Accuracy to estimate peak oxygen consumption smaller or equal to 14ml/kg/min was similar in both tests. Distances walked in both tests were not predictors of events and peak oxygen consumption was the only predictor of event free survival. Conclusions: Shuttle walk test is reproducible, safe, presenting a satisfactory correlation with six-minute walk test, and with peak oxygen consumption; it has been proved sensitive and specific in estimating peak oxygen consumption lower than 14ml/kg/min. However, it could not provide information on the prognosis of the patients from this sample.
Descrição
Citação
PULZ, Cristiane. Teste graduado da caminhada (Shuttle Walk Test) na avaliação funcional de pacientes com insuficiência cardíaca crônica. 2006. 87 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2006.