Relação entre radiografias e ressonância magnética na degeneração dos discos intervertebrais lombares humanos

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2010-05-27
Autores
Martins Filho, Délio Eulálio [UNIFESP]
Orientadores
Ishida, Akira [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introduction: There is controversy regarding which imaging method is best for identifying early degenerative alterations in intervertebral discs. No correlations between such methods and histological finds are presented in the literature. Objetive: The purpose of this study was to correlate the thickness of intervertebral discs measured on standard radiographs with the degree of degeneration seen on magnetic resonance images and the ending nerves fibers found into the disc. Methods: Ten lumbar spinal columns were extracted from human cadavers and subjected to magnetic resonance imaging and standard radiography. They were classified according to the degree of disc degeneration seen on magnetic resonance and the thickness of the discs measured on radiographs. The intervertebral discs were then extracted, embedded in paraffin and analyzed immunohistochemically with protein S100, and the nerve fibers were counted and classified. Results: No correlation was observed between the thickness of the intervertebral discs and the degree of degeneration seen on magnetic resonance images. Only the uppermost lumbar discs(L1/L2 and L2/L3) presented a correlation between the thickness and the type I and IV nerve ends. Conclusions: Reduced disc thickness is unrelated neither to increased presence of nerve ends in the intervertebral discs, or to the degree of disc degeneration.
Introdução: Há controvérsia sobre qual o melhor método de imagem para identificar alterações degenerativas precoces do disco intervertebral. Falta na literatura correlação destes métodos com os achados histológicos. Objetivo: O objetivo deste estudo foi relacionar a altura dos discos intervertebrais medidos em radiografias simples com o grau de degeneração nas imagens de ressonância magnética e as terminações nervosas encontradas no interior do disco. Material e Métodos: Dez colunas lombares de cadáveres humanos foram retiradas e submetidas a imagens de ressonância magnética e radiografias simples. Foram classificadas de acordo com o grau de degeneração dos discos pela ressonância e mensuradas as alturas dos discos nas radiografias. Os discos intervertebrais foram retirados, incluídos em parafina e realizado estudo imunohistoquímico com proteína S100 e as fibras nervosas foram contadas e classificadas. Resultados: Não foi observada correlação entre a altura dos discos intervertebrais com o grau de degeneração nas imagens de ressonância magnética. Apenas os discos lombares altos (L1/L2 e L2/L3) apresentaram correlação entre a altura e as terminações nervosas dos tipos I e IV. Conclusão: A diminuição da altura dos discos não está relacionada ao aumento de terminações nervosas nos discos intervertebrais e nem com o grau de degeneração dos discos.
Descrição
Citação
MARTINS FILHO, Délio Eulálio. Relação entre radiografias e ressonância magnética na degeneração dos discos intervertebrais lombares humanos. 2010. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.