Logo

Submissões Recentes

Item
Resposta excessiva da ventilação ao exercício e sua associação com fenótipos da Hipertensão Pulmonar Tromboembólica Crônica por meio da análise de cluster
(Universidade Federal de São Paulo, 2023-10-27) Cordeiro [UNIFESP], Andrei Augusto Assis de Campos; Arakaki [UNIFESP], Jaquelina Sonoe Ota Arakaki; Ramos, Roberta Pulcheri; Verrastro, Carlos Yuji; http://lattes.cnpq.br/3674430003360595; http://lattes.cnpq.br/4227820017852866; http://lattes.cnpq.br/4282849546206947; https://lattes.cnpq.br/0965197270318961
Introdução: A HPTEC é uma doença complexa, caracterizada por dupla lesão vascular: trombos crônicos organizados e arteriopatia, com repercussão funcional, tomográfica e hemodinâmica de espectros variáveis, algumas vezes discordantes. Por outro lado, são notórias as alterações ventilatórias e de trocas gasosas na HPTEC, porém a associação com as alterações tomográficas e hemodinâmicas ainda é pouco estudada. Objetivos: Identificar fenótipos entre pacientes com HPTEC, considerando achados na angiografia pulmonar por tomografia de tórax, funcionais e hemodinâmicos por meio da análise de cluster; avaliar a associação dos fenótipos com alterações ventilatórias e de trocas gasosas ao teste de exercício incremental. Métodos: estudo transversal que avaliou características demográficas, funcionais pelo TECR e TC6M, hemodinâmicas e tomográficas dos pacientes atendidos no ambulatório de Circulação Pulmonar do Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Escola Paulista de Medicina, Unifesp. Resultados: Foram avaliados 66 pacientes que realizaram exames de TECR, ECO, cateterismo cardíaco e AngioTC de tórax num período máximo de 6 meses entre os exames. A análise de cluster através das variáveis PAD, PAPm, VSi, SvO2, RVP, IC, Escore de Qanadli em porcentagem e a quantificação da atenuação em mosaico, permitiu a determinação de 3 clusters distintos. Os grupos se diferenciam em relação às variáveis funcionais, hemodinâmicas e tomográficas. O cluster 1 é o mais grave, o cluster 2, intermediário e o cluster 3 mais leve. O padrão da atenuação em mosaico foi capaz de diferenciar os grupos, sendo o cluster 1 aquele com maior atenuação e o cluster 3, aquele com menos. A resposta excessiva da ventilação ao exercício foi associada aos clusters. Conclusão: A HPTEC pode ser diferenciada em clusters considerando dados hemodinâmicos e de imagem, sendo os diferentes fenótipos associados à resposta excessiva da ventilação ao exercício.
Item
Análise radiográfica do eixo de carga em membros inferiores: uso de escaneamento corporal para customização e impressão 3D do encaixe de próteses transtibiais
(Universidade Federal de São Paulo, 2023-12-01) Gubert, Leonardo Maranhão [UNIFESP]; Belangero, Paulo Santoro [UNIFESP]; Stirma, Guilherme Augusto [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/4254637971994778; http://lattes.cnpq.br/0399504221133550; http://lattes.cnpq.br/0697271597005420
Objetivo: Desenvolvimento de um novo método para elaboração de encaixe de prótese para amputados transtibiais, utilizando a associação entre radiografia panorâmica dos membros inferiores, escâner de superfície e impressão 3D. Métodos: Utilizando a ferramenta de inovação de design thinking procuramos desenvolver um método preciso e replicável, resultando em um encaixe com o eixo de carga alinhado. Utilizamos um caso piloto: maior de 18 anos, um dos membros inferiores amputados ao nível transtibial, já protetizado, praticante de atividade física. Submetido a escâner do coto, modelagem gráfica para desenho de encaixe customizado, raio x panorâmico dos membros inferiores e análise dos eixos. Elaboração do posicionamento da haste da prótese de maneira precisa em software de CAD. Impressão 3D do encaixe customizado. Nova radiografia panorâmica dos membros inferiores para conferencia do eixo de carga. Resultados: Apos 4 tentativas de métodos para customização do encaixe, alcançamos uma estratégia replicável para elaboração de encaixes de próteses transtibiais baseadas no eixo mecânico de carga. A associação do raio x panorâmico (análise 2D) e softwares de CAD (análise 3D) apresentou uma precisão ímpar. Conclusões: é possível melhorar o eixo de carga através da associação dos métodos bidimensionais de radiografias panorâmicas, escâner corporal, computação gráfica tridimensional e manufatura aditiva.
Item
A influência do Sindicalismo Revolucionário na institucionalização da Questão Social: rebatimentos na gênese do Serviço Social no Brasil
(Universidade Federal de São Paulo, 2024-03-27) Ferrari, João Paulo Rocha [UNIFESP]; Nogueira, Claudia Mazzei [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/8369552901224819; http://lattes.cnpq.br/0201283198862033; Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Com esta dissertação de mestrado objetiva-se aprofundar o debate sobre a influência do movimento operário sob orientação e hegemonia do Sindicalismo Revolucionário, na institucionalização da Questão Social na Era Vargas e seus rebatimentos com a gênese do Serviço Social, enquanto profissão, no Brasil. Detalhada análise documental realizada nos jornais operários, A Voz do Trabalhador (1906; 1913; 1915); A Plebe; e A Lanterna, permitiu-nos constatar as formas de resistências; as críticas da aliança do Clero-Estado-Capital; e a capacidade organizativa dos/as trabalhadores/as entre as três primeiras décadas do século XX, com ênfase em 1935. Ressaltamos as contribuições dos anarquistas/operários Neno Vasco e Edgard Leuenroth, para os estudos sobre o Sindicalismo Revolucionário. Verificamos, na revista católica A Ordem, o papel de Alceu Amoroso Lima, principal intelectual do Estado Varguista da Ação Católica Brasileira/Centro Dom Vital, lecionando Sociologia para as primeiras assistentes sociais, em 1938, no Rio de Janeiro. Constatamos, nos textos de Alceu, no periódico de janeiro de 1935, que o Clero e o Fascismo deram as mãos, no caso o Integralismo, para intervir no Estado na Questão Social, e no movimento operário/sindical. Com o estudo, abrem-se possíveis caminhos para analisar o passado das protoformas da gênese do Serviço Social e iluminar, no presente do trabalho profissional em conjunto, a classe trabalhadora.
Item
O mercado financeiro brasileiro e as opções de investimento para pessoa física
(Universidade Federal de São Paulo, 2024-04-29) Santos, Ana Karollyne Lourenço dos [UNIFESP]; Oliveira Filho, Bolivar Godinho de [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/4702666394166112
RESUMO A educação financeira é crucial para compreender as opções de investimento, seus riscos, tributos e rentabilidade, permitindo o planejamento e controle dos investimentos para garantir estabilidade financeira. Por isso, o trabalho a seguir tem o propósito de destacar a relevância da educação financeira e das opções de investimento, oferecendo descrições objetivas da estrutura do sistema financeiro nacional e das alternativas de investimentos disponíveis para pessoas físicas, como ações, fundos de investimento e títulos públicos. O propósito deste trabalho é colaborar para preencher as lacunas na educação financeira de nível básico, fornecendo uma fonte objetiva de conteúdo sobre o mercado financeiro e as opções de investimento e disponibilizando meios para serem utilizados para buscar conhecimentos mais especializados, como sites, cursos, blogs, podcasts e mídias sociais. Para isso o conteúdo é dividido em três partes principais. Inicialmente, são abordados aspectos comportamentais da educação financeira, incluindo grupos vulneráveis e sobre prevenção ao endividamento. Em seguida, o foco se volta para o mercado financeiro brasileiro, detalhando seus componentes, como câmbio, mercado monetário, de crédito e de capitais, além da estrutura do sistema financeiro nacional. A segunda parte explora as principais opções de investimento para pessoas físicas, como fundos de investimento, produtos de renda fixa e variável, e previdência privada, destacando também o desenho do perfil de investidor. A terceira parte propõe fontes variadas para aprofundamento do conhecimento, integrando-se ao processo de educação financeira e visando estimular o interesse do leitor, promovendo uma abordagem mais informada no ambiente financeiro individual.
Item
Consumo de glúten dos genitores de crianças e adolescentes com doença celíaca: avaliação quantitativa por dois métodos
(Universidade Federal de São Paulo, 2024-02-07) Souza, Marilia Graziela Alves de [UNIFESP]; Sdepanian, Vera Lucia [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/8273324982105660; http://lattes.cnpq.br/5518401124884146
Objetivo: Quantificar o consumo de glúten dos familiares de primeiro grau dos pacientes com doença celíaca (grupo estudo) e comparar com o consumo de glúten dos familiares de primeiro grau das crianças sem restrição alimentar (grupo controle), empregando os métodos de Overbeek e de ELISA. Métodos: Estudo caso-controle, em ambulatório especializado de gastroenterologia pediátrica, cuja entrevista abordou a frequência do consumo de alimentos com glúten, subdivididos em grupos (pães, bolos, tortas, aveia, chocolate, massas e cervejas) pelos familiares do grupo e grupo controle. Quantificou-se o consumo de cada alimento com glúten em gramas por dia, e estes foram reproduzidos, segundo as informações dos familiares. Estimou-se a quantidade de glúten em g/dia pelo método de Overbeek multiplicando-se a quantidade de proteína pelo fator 0,8. O teste de ELISA AgraQuant® Teste de ELISA Glúten G12 - laboratório Romer Labs – resultou em gramas de glúten para cada 100g do alimento. Resultados: Participaram 36 familiares do grupo estudo e 62 familiares do grupo controle, e analisaram-se 72 alimentos. A mediana do consumo total de glúten do grupo estudo pelo método de Overbeek e ELISA foram, respectivamente, 9,10g e 13,91g, que foram estatisticamente menores que o do grupo controle, 12,58g e 26,29g. A quantidade do consumo total de glúten pelo método de Overbeek foi estatisticamente menor do que o ELISA. Os alimentos mais consumidos pelo grupo estudo e controle, segundo o ELISA foram pães e massas. Conclusão: O consumo diário de glúten dos familiares do grupo estudo foi menor do que dos familiares do grupo controle, embora ambos grupos consumissem pães e massas com mais frequência. A redução do consumo de glúten pelo familiar do grupo estudo não repercutiu para que as crianças fossem obedientes à dieta. O uso da farinha de trigo foi muito menor nas casas dos familiares do grupo estudo do que dos familiares do grupo controle, que na quase totalidade utilizaram este ingrediente. O método estimado de Overbeek subestimou a quantidade total de glúten nos alimentos quando comparado ao ELISA.