Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8970
Title: As repercussões da lesão medular sobre a ação da crura diafragmática e na contenção do refluxo gastroesofágico: um estudo transversal, não experimental
Other Titles: The repercussions of spinal cord injury on the action of the diaphragmatic crura for gastroesophageal reflux containment
Authors: Prado, Gilmar Fernandes do [UNIFESP]
Silva, Cleuza Braga da [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: Gastroesophageal reflux
Crura diafragmática
Inervação frênica
Junção Esofagogástrica
Refluxo gastroesofágico
Spinal cord injury
Diaphragmatic crura
Esophageal manometry
Esophagogastric Junction
pH metering
Phrenic innervation
Lesão medular
Traumatismos da medula espinal
Spinal cord injuries
Esôfago/anatomia & histologia
Esophagus/anatomy & histology
Issue Date: 30-Sep-2009
Publisher: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Citation: SILVA, Cleuza Braga da. As repercussões da lesão medular sobre a ação da crura diafragmática e na contenção do refluxo gastroesofágico: um estudo transversal, não experimental. 2009. 161 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2009.
Abstract: Study design: Cross-sectional and non-experimental. Objective: To detect and compare functional abnormalities in the esophagus and esophagogastric junction in two groups with chronic spinal injuries, one with injuries at the phrenic innervation level and the other at upper thoracic levels, and to relate these to gastroesophageal reflux containment. Summary of background data: There are no studies on esophageal manometry with pH metering among spinal cord injury patients. Worldwide statistics reveal that the prevalence of gastroesophageal reflux disease among spinal cord injury patients is greater than among the general population, at around 22 to 27%. The "diaphragmatic crura" has been recognized as an important antireflux barrier and should functionally be considered to be a muscle separated from the costal diaphragm. However, doubts remain regarding whether this difference relates to its innervation. Methods: This was a cross-sectional study on 29 patients with complete spinal cord injuries: 14 quadriplegics (level C4) and 15 paraplegics (levels T1 to T7). Functional abnormalities of the esophagogastric junction, esophagus and diaphragm were investigated using esophageal manometry and diaphragmatic video fluoroscopy. Presence of gastroesophageal reflux was investigated subjectively (pyrosis and regurgitation) and objectively (pH metering and endoscopy). Results: The prevalence of gastroesophageal reflux disease was 27.6%, without difference between the groups. This became statistically significant when the mean diaphragmatic crura pressures were compared (quadriplegics: 37.5  17.8; paraplegics: 26.6  7.2; p=0.048). It was also significant in relation to the prevalence of at least one of the objective and/or subjective reflux findings and/or esophageal peristaltism (quadriplegics: 85.7%; paraplegics: 40%; p=0.011). Conclusions: Spinal injury at the level of the phrenic innervation did not predispose the quadriplegics towards greater risk of developing gastroesophageal reflux disease. Paradoxically, manometry showed significantly greater crura contractility among the quadriplegics.
Desenho do estudo: Transversal, não experimental. Objetivos: Detectar e comparar as alterações funcionais esofágicas e da junção esôfago-gástrica em dois grupos de pacientes com lesão medular crônica, um no nível da inervação frênica e o outro em níveis torácicos superiores, e relacioná-las à contenção do refluxo gastroesofágico. Sumário e contexto: Em lesados medulares não há estudo manométrico esofágico associado à pHmetria. A estatística mundial revela que a prevalência de doença do refluxo gastroesofágico em lesados medulares é maior que a população geral, em torno de 22 a 27%. A "crura diafragmática" vem sendo reconhecida como importante barreira antirefluxo e, funcionalmente, deveria ser considerada como um músculo separado do diafragma costal, mas permanece a dúvida se essa diferença está relacionada com sua inervação. Métodos: O estudo é transversal em que participaram 29 pacientes com lesão medular completa, sendo 14 tetraplégicos (nível C4) e 15 paraplégicos (níveis T1 a T7). As alterações funcionais da junção esôfagogástrica, esôfago e diafragma foram avaliadas através da manometria esofágica e vídeo-fluoroscopia diafragmática; presença de refluxo gastroesofágico por dados subjetivos (pirose e regurgitação) e objetivos (dados pHmétricos e endoscópicos). Resultados: A prevalência da doença do refluxo gastroesofágico foi de 27,6%, sem diferença entre os grupos. Esta foi estatisticamente significante quando se comparou as médias da pressão da crura diafragmática (tetraplégico: 37,517,8; paraplégico: 26,67,2; p=0,048). Também teve significância em relação à prevalência de no mínimo um dos achados objetivos e/ou subjetivos de refluxo e/ou do peristaltismo esofágico (tetraplégico: 85,7%; paraplégico: 40%; p=0,011). Conclusões: A lesão medular no nível da inervação frênica não predispôs os tetraplégicos a um risco maior para desenvolver a doença do refluxo gastroesofágico. Paradoxalmente, a manometria mostrou uma contractilidade da crura diafragmática significantemente maior nos tetraplégicos.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8970
Appears in Collections:Em verificação - Dissertações e teses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Publico-8970.pdf7.26 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.