Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/47871
Title: Uso de membrana amniótica para reduzir a formação de aderências em cirurgia de estrabismo: estudo experimental em coelhos
Authors: Sato, Elcio Hideo Sato [UNIFESP]
Kirsch, David [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: strabismus
amnion
fibrosis
inflammation
rabbits
estrabismo
membrana amniótica
fibrose
inflamação
coelhos
Issue Date: 31-Aug-2015
Publisher: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Citation: KIRSCH, David. Uso de membrana amniótica para reduzir a formação de aderências em cirurgia de estrabismo: estudo experimental em coelhos. 2015. 70 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2015.
Abstract: Purpose: 1) To evaluate the anti-inflammatory effect of amniotic membranes in strabismus surgery. 2) To evaluate the effect of amniotic membranes in reducing fibrosis in strabismus surgery. 3) To evaluate the effect of amniotic membranes in reducing adhesion formation and ocular motility restrictions following strabismus surgery. Methods: The study was divided into 2 stages. In the first stage, 20 rabbits underwent superior rectus muscle recession surgery in both eyes. Surgery was performed in the same manner in both eyes, but in the right eye, after the recession, a cryopreserved human amniotic membrane was placed over the muscle without sutures, with the epithelial side facing down and in contact with the sclera. After 15 days, the rabbits were sacrificed, and their orbits were exenterated and evaluated histopathologically to quantify tissue inflammation and fibrosis. In the second stage, 7 rabbits underwent the same procedure but were sacrificed at 30 days. Prior to sacrificing the rabbits, a dynamometer was used to measure the force required to displace all the eyes. Results: In the first group of rabbits, whose eyes were exenterated at 15 days, the eyes with amniotic membranes exhibited an increased inflammatory response and less fibrosis than the control eyes without amniotic membranes. At 30 days, the eyes with amniotic membrane continued to exhibit increased inflammation and less fibrosis than the eyes without amniotic membranes. In the dynamometer test, more force was needed to displace the eye without amniotic membrane after 15 days, but there was no significant difference between the forces required at 30 days. Conclusions: Cryopreserved human amniotic membranes used to treat rabbits led to an increase in the inflammatory process following strabismus surgery but decreased fibrosis formation. At 30 days, there was no notable difference.
Objetivos: 1- Avaliar o efeito anti-inflamatório da membrana amniótica na cirurgia de estrabismo. 2- Avaliar o efeito da membrana amniótica para reduzir a fibrose na cirurgia de estrabismo. 3- Avaliar o efeito da membrana amniótica em reduzir a formação de aderências e restrição à motilidade ocular após a cirurgia de estrabismo. Métodos: O estudo foi dividido em duas etapas. Na primeira etapa, 20 coelhos foram submetidos à cirurgia de recuo dos músculos reto superiores de ambos os olhos. A cirurgia foi realizada da mesma maneira nos dois olhos, porém, no olho direito, após o recuo, uma membrana amniótica humana criopreservada foi colocada envolvendo o músculo, sem suturas, com o epitélio virado para baixo em contato com a esclera. Após 15 dias, os coelhos foram sacrificados e suas órbitas exenteradas e avaliadas no exame histopatológico para quantificação da inflamação e da fibrose nos tecidos. Na segunda etapa, mais 7 coelhos foram submetidos ao mesmo procedimento, contudo foram sacrificados após 30 dias. Antes do sacrifício dos coelhos, todos os olhos foram submetidos a um teste com um dinamômetro para quantificar a força necessária para deslocamento do mesmo. Resultados: No primeiro grupo, dos coelhos exenterados após 15 dias, observou-se que os olhos com membrana amniótica apresentavam uma maior reação inflamatória e menos fibrose quando comparados com os olhos sem membrana amniótica. Após 30 dias, os olhos com membrana amniótica mantinham maior reação inflamatória e menos fibrose do que os olhos sem membrana amniótica. No teste de dinamometria, detectou-se maior necessidade de força para deslocamento dos olhos sem membrana amniótica no período após 15 dias, e não houve diferença significante de força após 30 dias. Conclusões: A membrana amniótica humana criopreservada em coelhos causou um aumento do processo inflamatório após a cirurgia de estrabismo, porém diminuiu a formação de fibrose. Após 30 dias, não foi individualizada diferença entre os olhos com e sem membrana amniótica em relação à força necessária para deslocamento do olho.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/47871
Other Identifiers: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2728538
Appears in Collections:Tese de doutorado

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.