Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/47711
Title: Efeito do exercício físico resistido na função cradíaca de ratos submetidos à privação de sono paradoxal
Authors: Antunes, Hanna Karen Moreira Antunes [UNIFESP]
Giampa, Sara Quaglia de Campos [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: resistance training
sleep deprivation
heart function tests
ventricular remodeling
hormones
treinamento de resistência
privação do sono
testes de função cardíaca
remodelação ventricular
hormônios
Issue Date: 26-Feb-2014
Publisher: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Citation: GIAMPA, Sara Quaglia de Campos. Efeito do exercício físico resistido na função cradíaca de ratos submetidos à privação de sono paradoxal. 2014. 187 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Santos, 2014.
Abstract: Paradoxical sleep deprivation is able to an increase of sympathetic activity, recognized by increased blood pressure with concomitant activation of the hypothalamic-pituitary-adrenal axis. These changes may culminate a series of physiological damage, especially on cardiovascular health. Thus, the adoption of strategies to minimize such effects become necessary, so resistance exercise has excelled because of the important hemodynamic, structural, metabolic and endocrine adaptations that alone or integrated can attenuate the losses associated to this condition. Purpose: The aim of study was to evaluate the effects of paradoxical sleep deprivation for 96 hours on cardiac function in rats, submitted or not resistance training protocol. Methods: Adult male Wistar rats were randomly distributed into 5 groups: control (CNTL), resistance training (GTR), SHAM, paradoxical sleep deprivation for 96 hours (GPSP96) and resistance training subsequently submitted to paradoxical sleep deprivation (GTR/PSP96). The GTR and GTR/PSP96 groups were exercised by 5x/week for 8 weeks, with progressive load. Twenty-four hours after the last training session, the PSP96 and GTR/PS96 were submitted to paradoxical sleep deprivation using the modified multiple platform method. Posteriorly, the animals were evaluated for anabolic (IGF-1, testosterone) and catabolic (corticosterone) hormonal profile, thyroid hormones and C-reactive protein, as well as its structure (histomorphometry) and cardiac function (Doppler echocardiography, hemodynamic and study of contractility myocardial in vitro). For statistical analysis, the normality of the data was verified by Shapiro Wilk test. The Student t test for independent samples was performed (between two groups), and to compare all experimental groups, we used ANOVA one-way or two-way for repeated measures (time and group), with adjusted post hoc for n. In the procedure of isolated cardiac muscle mechanics, the slope and the area under the curve using linear regression were calculated. The statistical significance adopted was p ≤ 0.05. Results: Deprivation of paradoxical sleep for 96 hours led to a catabolic condition characterized by a decrease in the levels of IGF-1, testosterone and corticosterone increased in animals GPSP96 group and the resistance training was an effective strategy to attenuate this disruption observed. Moreover this adverse condition promoted significant changes in cardiac structure and function, with emphasis on hypertrophy and fibrosis of the heart, increased systolic left ventricular pressure, heart rate and cardiac output, while increasing echocardiographic variables that designate a possible ventricular dysfunction and reduction of related parameters assessed by myocardial contractility in vitro study. Among these variables, systolic left ventricular pressure, cardiac output, cardiac index and stroke work index were attenuated by prior resistance training. Conclusion: The paradoxical sleep deprivation for 96 hours promoted losses on hormone axis, cardiac structure and function, and resistance exercise was an effective strategy for attenuating hormonal dysregulation and cardiovascular alterations observed.
Introdução: A privação de sono é capaz de incitar elevação da atividade simpática, reconhecida pelo aumento da pressão arterial, com concomitante ativação do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal. Essas alterações podem culminar em uma série de prejuízos fisiológicos, em especial sobre a saúde cardiovascular. Frente a isso, a adoção de estratégias para minimizar tais efeitos tornam-se necessárias, e entre elas o exercício físico resistido tem ganhado atenção, devido às importantes adaptações hemodinâmicas, estruturais, metabólicas e endócrinas que de forma isolada ou integrada podem atenuar os prejuízos associados a essa condição adversa. Objetivo: O objetivo do estudo foi avaliar os efeitos da privação de sono paradoxal por 96 horas na função cardíaca de ratos, submetidos ou não ao protocolo de treinamento resistido. Métodos: Ratos adultos, machos, Wistar, com 3 meses de idade, foram distribuídos aleatoriamente em 5 grupos: grupo controle (CNTL), grupo treinamento resistido (GTR), grupo SHAM, grupo privação de sono paradoxal por 96 horas (GPSP96) e grupo treinamento resistido posteriormente submetido à privação de sono paradoxal por 96 horas (GTR/PSP96). O protocolo de treinamento resistido adotado teve a duração de 8 semanas, 5x/semana, com incremento de cargas progressivas. Vinte e quatro horas após a última sessão de treinamento, os grupos GPSP96 e GTR/PSP96 foram submetidos ao protocolo de privação de sono parodoxal pelo método de plataformas múltiplas modificado. Posteriormente, os animais foram avaliados quanto ao perfil anabólico (IGF-1, testosterona), catabólico (corticosterona), hormônios tireoidianos e proteína C-reativa, bem como pela sua estrutura (histomorfometria) e funcionalidade cardíaca (ecocardiografia Doppler, hemodinâmica e estudo da contratilidade miocárdica in vitro). Para o tratamento estatístico, a normalidade dos dados foi verificada pelo teste de Shapiro-Wilk. Foi realizado o teste T de Student para amostras independentes (entre dois grupos), e na comparação de todos os grupos experimentais utilizou-se ANOVA one-way ou two-way para medidas repetidas (tempo e grupo), com o teste post hoc ajustado para o n. No procedimento da mecânica muscular cardíaca isolada, foram calculados o slope e a área abaixo da curva por meio de regressão linear. A significância estatística adotada foi de p≤0,05. Resultados: A privação de sono paradoxal por 96 horas gerou um quadro catabólico, caracterizado pela redução nos níveis de IGF-1, testosterona e aumento da corticosterona, sendo o treinamento resistido uma estratégia eficaz para atenuar essa desregulação observada. Ademais, tal condição adversa promoveu alterações significativas na estrutura e funcionalidade cardíaca, com destaque para a hipertrofia e fibrose do coração, aumento da pressão sistólica do ventrículo esquerdo, frequência cardíaca e débito cardíaco, com concomitante aumento de variáveis ecocardiográficas que designam uma possível disfunção diastólica e redução de parâmetros relacionados à contratilidade avaliados pelo estudo miocárdico in vitro. Dentre essas variáveis, a pressão sistólica do ventrículo esquerdo, o débito cardíaco, o índice cardíaco e índice do trabalho sistólico, foram as principais atenuadas pelo treinamento resistido prévio. Conclusão: A privação de sono paradoxal por 96 horas promoveu prejuízos à função e a estrutura cardíaca, assim como sobre os eixos hormonais, sendo o treinamento resistido uma estratégia eficaz para atenuar a desregulação hormonal e principalmente as alterações hemodinâmicas observadas.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/47711
Other Identifiers: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=528465
Appears in Collections:Dissertação de mestrado

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.