Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4498
Title: Efeitos sistêmicos da hipoxemia noturna em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica sem síndrome da apnéia obstrutiva do sono
Other Titles: Systemic effects of nocturnal hypoxemia in patients with chronic obstructive pulmonary disease without obstructive sleep apnea syndrome
Authors: Mueller, Paulo de Tarso Guerrero
Gomes, Marcílio Delmondes
Viegas, Carlos Alberto de Assis
Neder, Jose Alberto [UNIFESP]
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Clínica de Neurologia e Distúrbios do Sono
Universidade de Brasília
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: Pulmonary disease, chronic obstructive
Exercise test
Anoxia
Respiratory function tests
Doença pulmonar obstrutiva crônica
Teste de esforço
Anóxia
Testes de função respiratória
Issue Date: 1-Aug-2008
Publisher: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia
Citation: Jornal Brasileiro de Pneumologia. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, v. 34, n. 8, p. 567-574, 2008.
Abstract: OBJECTIVE: To study the effects of nocturnal hypoxemia in patients with chronic obstructive pulmonary disease without obstructive sleep apnea syndrome. METHODS: We studied 21 patients-10 desaturators and 11 nondesaturators-submitted to arterial blood gas analysis, polysomnography, spirometry, cardiopulmonary exercise testing (cycle ergometer), and hand-grip dynamometry, as well as measurements of maximal inspiratory pressure, maximal expiratory pressure, and C-reactive protein (CRP) levels. Patients with arterial oxygen tension > 60 mmHg were included; those with an apnea-hypopnea index > 5 events/hour of sleep were excluded. Maximal oxygen uptake, maximal power, systolic blood pressure, diastolic blood pressure (DBP), and maximal heart rate were measured during exercise in order to detect hemodynamic alterations. Patients presenting CRP levels above 3 mg/L were considered CRP-positive. RESULTS: Minimal peripheral oxygen saturation during sleep was significantly higher among nondesaturators (p = 0.03). More desaturators presented CRP > 3 mg/L (p < 0.05). No differences were observed in terms of any variables, However, mean peripheral oxygen saturation during sleep correlated with DBP and maximal inspiratory pressure (p < 0.001 and p = 0.001, respectively). CONCLUSIONS: Although nocturnal hypoxemia does not reduce exercise capacity or hand-grip strength in patients with mild/moderate COPD, its effect on maximal exercise DBP seems to depend on the degree of hypoxemia. In addition, there is a positive relationship between maximal inspiratory pressure and mean peripheral oxygen saturation during sleep, as well as evidence of pronounced inflammatory activation in patients with nocturnal hypoxemia.
OBJETIVO: Estudar os efeitos da hipoxemia noturna em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica sem síndrome da apnéia obstrutiva do sono. MÉTODOS: Estudamos 21 pacientes-10 dessaturadores e 11 não-dessaturadores-submetidos a gasometria arterial, polissonografia, espirometria, teste de exercício cardiopulmonar (cicloergômetro), dinamometria manual e medidas de pressão inspiratória máxima, pressão expiratória máxima e proteína C reativa (PCR). Incluíram-se os pacientes com pressão parcial arterial de oxigênio > 60 mmHg; excluíram-se os com índice de apnéia-hipopnéia > 5 eventos/hora de sono. Foram medidos consumo máximo de oxigênio, potência máxima, pressão arterial sistólica, pressão arterial diastólica (PAD) e frequência cardíaca máxima durante exercício, visando detectar alterações hemodinâmicas. A PCR foi considerada positiva quando acima de 3 mg/L. RESULTADOS: A saturação periférica de oxigênio mínima durante o sono foi significativamente maior nos não-dessaturadores (p = 0,03). Mais dessaturadores apresentaram PCR > 3 mg/L (p < 0,05). Não houve diferença quanto a capacidade de exercício e demais variáveis. No entanto, PAD (p < 0,001) e pressão inspiratória máxima (p = 0,001) correlacionaram-se com saturação periférica de oxigênio média durante o sono. CONCLUSÕES: A hipoxemia noturna não reduz a capacidade de exercício e a força de preensao manual em pacientes com DPOC leve/moderada, mas o ajuste da PAD durante o exercício máximo parece depender do grau de hipoxemia. Além disso, há uma relação positiva entre pressão inspiratória máxima e saturação periférica de oxigênio média durante o sono, bem como indícios de ativação inflamatória diferenciada em pacientes com hipoxemia noturna.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4498
ISSN: 1806-3713
Other Identifiers: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132008000800005
Appears in Collections:Em verificação - Geral

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S1806-37132008000800005.pdf279.87 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.