Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4323
Title: Análise citogenética e FISH no monitoramento da LMC em tratamento com inibidores da tirosino quinase
Other Titles: Cytogenetics and FISH monitoring CML during tyrosine kinase inhibitors treatment
Authors: Chauffaille, Maria de Lourdes Lopes Ferrari [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Fleury-Medicina e Saúde
Keywords: Philadelphia chromosome
cytogenetic monitoring
complete remission
del der(9q)
Leucemia mielóide crônica
cariótipo
cromossomo Philadelphia
monitoramento citogenético
remissão citogenética completa
del der(9q)
Issue Date: 1-Apr-2008
Publisher: Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular
Citation: Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular, v. 30, p. 13-19, 2008.
Abstract: Tyrosine kinase inhibitor treatment monitoring is performed in order to evaluate the success of therapy and to allow specific changes in cases in which remission was not obtained, was lost after being achieved with or without drug interruption, when clonal evolution occurs despite therapy or when clonal abnormalities are detected in Ph-negative cells. It is recommended to perform marrow karyotyping at three or six months after starting therapy and then at six-month intervals until complete cytogenetic remission (CCR) is achieved. Once in CCR, quantitative real time PCR is the method of choice for monitoring, but karyotyping should be performed every year to detect loss of response, clonal evolution or clonal abnormalities in Ph-negative cells. In fact, only karyotyping can monitor the acquisition of clonal aberrations related to disease progression. In this article situations less frequently found, but deserving close monitoring, such as variant Ph, deletion on derivative chromosome 9q and clonal aberrations in Ph-negative cells are also discussed.
O monitoramento de tratamento com inibidor da tirosinoquinase (TK) tem sido feito com os objetivos de avaliar o sucesso da terapia e de definircondutas específicas nos casos nos quais não se obtem a remissão da LMC; naqueles em que ocorre a perda da remissão previamente alcançada, na eventualidade ou não de suspensão da medicação; quando há a evolução clonal a despeito da terapia ou o aparecimento de alterações clonais nas células Philadelphia (Ph)-negativas. Recomenda-se a avaliação citogenética aos três ou seis meses de instituição da terapêutica e, a partir daí, a cada seis meses até a remissão citogenética completa. Uma vez alcançada a remissão citogenética, o monitoramento passa a ser porPCR quantitativo em tempo real (PCR em tempo real, porém o cariótipo deve ser realizado a cada ano para a detecção de perda de resposta, alterações clonais em células Ph-negativas ou evolução clonal. Com efeito, só o cariótipo pode monitorar a aquisição de alteração clonal associada à progressão da doença. No presente manuscrito são também discutidos: Ph-variantes, deleção no derivado 9q e aparecimento de alterações clonais nas células Ph-negativas, situações menos freqüentes, mas que merecem monitoração mais amiúde.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4323
ISSN: 1516-8484
Other Identifiers: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842008000700005
Appears in Collections:Em verificação - Geral

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S1516-84842008000700005.pdf160.65 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.