Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/41518
Title: A contribuição da percepção dos comportamentos e estilos parentais para o consumo de álcool por adolescentes
Other Titles: Contribution of perception of parental behaviors and parenting styles to the consumption of alcohol by adolescents
Authors: Noto, Ana Regina [UNIFESP]
Zuquetto, Carla Regina Guimarães [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo [UNIFESP]
Keywords: Adolescente
Bebedeira
Beber pesado episódico
Relações pais-filhos
Estilos parentais
Issue Date: 2013
Publisher: Universidade Federal de São Paulo [UNIFESP]
Citation: ZUQUETTO, Carla Regina Guimarães. A contribuição da percepção dos comportamentos e estilos parentais para o consumo de álcool por adolescentes. 2013. 108 f. Dissertação (Mestrado) – Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, 2013.
Abstract: Introdução: O álcool é a droga mais frequentemente utilizada por adolescentes em todo o mundo. No Brasil, levantamentos epidemiológicos mostram que oito em cada dez adolescentes já experimentaram bebidas alcoólicas aos 18 anos. Entre os fatores associados ao risco para o consumo de álcool por adolescentes, destacam-se o estilo parental e o consumo dos pais. Objetivo: Avaliar características parentais (estilos parentais e modelos de consumo) associadas ao consumo de álcool entre estudantes de 13 a 18 anos do Ensino Médio da rede pública e privada de ensino nas 27 capitais brasileiras. Método: Análise secundária de dados do VI Levantamento Nacional sobre o uso de drogas psicotrópicas entre estudantes das redes pública e particular de ensino das 27 capitais brasileiras. A amostra se restringiu aos estudantes de ensino médio, com idade entre 13 e 18 anos (n: 17028). Foram usados modelos de regressão logística para estimar a associação entre estilos parentais, embriaguez parental e consumo de álcool pelo adolescente, bem como Frações de Prevalência Atribuíveis para estimar a contribuição a nível populacional dos fatores estudados. Resultados: Apesar de ser proibida a venda e a oferta de bebidas alcoólicas para menores de 18 anos, 65% dos adolescentes relataram o consumo de álcool no ano anterior à pesquisa, sendo que um 34,8% consumiram em padrão binge. Comparados às meninas, os meninos se intoxicam mais (consumo em padrão binge). Estilos parentais não-autoritativos (autoritário, indulgente e negligente) aumentaram a chance de consumo em padrão binge em 2,44 vezes, enquanto a embriaguez dos pais aumentou a chance em 1,91 vezes. Na hipótese de uma relação causal entre o comportamento dos pais e o consumo em padrão binge pelos adolescentes, os estilos parentais não-autoritativos tiveram uma contribuição maior a nível populacional do que a embriaguez dos pais. Conclusão: Os resultados sugerem que tanto estilos parentais nãoautoritativos quanto a embriaguez dos pais tem um papel importante no comportamento de beber dos adolescentes. A nível populacional os estilos parentais não-autoritativos tem uma contribuição maior para a prevalência de consumo em padrão binge do que a embriaguez dos pais.
URI: http://hdl.handle.net/11600/41518
Appears in Collections:Dissertação de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Carla Regina Guimarães Zurquetto.pdf3.59 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.