Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3647
Title: Avaliação da eficiência da nutrição parenteral quanto à oferta de energia em pacientes oncológicos pediátricos
Other Titles: Evaluation of parenteral nutrition efficiency in supplying energy for pediatric oncology patients
Authors: Garófolo, Adriana [UNIFESP]
Boin, Susiane Gusi [UNIFESP]
Modesto, Patrícia Claudia [UNIFESP]
Petrilli, Antonio Sergio [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: neoplasms
energy metabolism
parenteral nutrition
nutrition therapy
neoplasia
gasto energético
nutrição parenteral
terapia nutricional
Issue Date: 1-Apr-2007
Publisher: Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Citation: GAROFOLO, Adriana; BOIN, Susiane Gusi; MODESTO, Patrícia Claudia e PETRILLI, Antonio Sérgio. Avaliação da eficiência da nutrição parenteral quanto à oferta de energia em pacientes oncológicos pediátricos. Rev. Nutr. [online]. 2007, vol.20, n.2, pp.181-190.
Abstract: OBJECTIVE: The objective of this study was to evaluate parenteral nutrition efficiency in supplying energy for pediatric oncology patients, indications and main difficulties in the procedure. METHODS: This was an observational descriptive study done from July 2003 to July 2004 at the Pediatric Oncology Institute of the Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Inclusion criteria: hospitalized cancer patients receiving parenteral. Energy adequateness was analyzed by equations that calculated basal energy expenditure adjusted for initial progression. RESULTS: Forty-one (4%) of the 1016 hospitalized patients received parenteral nutrition: 54% were males and received parenteral nutrition for a median of 10 days (1-51). Fifty-six percent of the episodes did not reach the adjusted basal energy expenditure; 26% remained between 100 and 120% and 18% were above 120%. The mean adjusted basal energy expenditure was 106% with a standard deviation of 38% and a median of 96%. The reasons associated with difficulties to achieve the basal energy expenditure were metabolic intolerance, non-exclusive parenteral nutrition, suspension or interruption of its use, prescription without discussing with nutritionist and use of peripheral route. Parenteral nutrition was mainly indicated in gastrointestinal toxicity. The discarded volume of parenteral nutrition was above 10% in 17 of 35 episodes (49%). Protection from room light (cover) assessed in 19 patients during the days of administration detected an absence of 37 of 315 days (12%). CONCLUSION: Energy supply did not meet the demands of a high percentage of the patients, mainly because of the severity of the clinical scenario, interruptions and non-exclusive use, reducing the amount of time available to administer the nutrition. A multidisciplinary team which would improve the efficiency of the procedures could reduce the losses, guaranteeing a more adequate supply and increasing the benefits of parenteral nutrition.
OBJETIVO: Avaliar a eficiência da nutrição parenteral administrada a pacientes oncológicos pediátricos quanto à oferta de energia, indicações e principais dificuldades no procedimento. MÉTODOS: Estudo observacional descritivo, realizado entre julho de 2003 e julho de 2004 no Instituto de Oncologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Critérios de inclusão: pacientes com câncer recebendo nutrição parenteral nas unidades de internação. A análise da adequação energética foi efetuada usando-se equações preditivas para o cálculo do gasto energético basal ajustado para a progressão inicial. RESULTADOS: Foram 41 episódios de nutrição parenteral de, 1.016, internações (4%): 54% do sexo masculino, com mediana de uso de 10 dias (1-51). Demonstrou-se que em 56% dos episódios não se atingiu o gasto energético basal ajustado; 26% ficaram entre 100% e 120% e 18% acima de 120%. A média do gasto energético basal ajustado foi 106%, com desvio-padrão de 38% e a mediana 96%. Os motivos associados às dificuldades para atingir o gasto energético basal foram intolerância metabólica, via de nutrição parenteral não exclusiva, suspensão ou interrupção da sua administração, prescrição sem discussão com nutricionista e uso de via periférica. A principal indicação foi por toxicidade gastrintestinal. O volume desprezado de nutrição parenteral demonstrou-se superior a 10% em 17 de 35 episódios (49%). Proteção contra luz ambiente (capa), avaliada em 19 pacientes durante os dias da administração, detectou ausência em 37 de 315 dias (12%). CONCLUSÃO: A oferta de energia não contemplou as necessidades de alta porcentagem de pacientes, principalmente devido à gravidade do quadro clínico, às interrupções e ao uso de via não exclusiva, reduzindo o período disponível para administração da nutrição. A eficiência dos procedimentos por atuação de equipe multidisciplinar poderia reduzir o prejuízo, garantindo uma oferta mais adequada, aumentando os benefícios da nutrição parenteral.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3647
ISSN: 1415-5273
Other Identifiers: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732007000200007
Appears in Collections:Artigo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S1415-52732007000200007.pdf121.79 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.