Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3009
Title: Cost of schizophrenia: direct costs and use of resources in the State of São Paulo
Other Titles: Custos da esquizofrenia: custos diretos e utilização de recursos no Estado de São Paulo
Authors: Leitão, Raquel Jales [UNIFESP]
Ferraz, Marcos Bosi [UNIFESP]
Chaves, Ana Cristina [UNIFESP]
Mari, Jair de Jesus [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: Health expenditures
Direct services costs
Schizophrenia
Gastos em saúde
Custos diretos de serviços
Esquizofrenia
Issue Date: 1-Apr-2006
Publisher: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Citation: Revista de Saúde Pública. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, v. 40, n. 2, p. 304-309, 2006.
Abstract: OBJECTIVE: To estimate the direct costs of schizophrenia for the public sector. METHODS: A study was carried out in the state of São Paulo, Brazil, during 1998. Data from the medical literature and governmental research bodies were gathered for estimating the total number of schizophrenia patients covered by the Brazilian Unified Health System. A decision tree was built based on an estimated distribution of patients under different types of psychiatric care. Medical charts from public hospitals and outpatient services were used to estimate the resources used over a one-year period. Direct costs were calculated by attributing monetary values for each resource used. RESULTS: Of all patients, 81.5% were covered by the public sector and distributed as follows: 6.0% in psychiatric hospital admissions, 23.0% in outpatient care, and 71.0% without regular treatment. The total direct cost of schizophrenia was US$191,781,327 (2.2% of the total health care expenditure in the state). Of this total, 11.0% was spent on outpatient care and 79.2% went for inpatient care. CONCLUSIONS: Most schizophrenia patients in the state of São Paulo receive no regular treatment. The study findings point out to the importance of investing in research aimed at improving the resource allocation for the treatment of mental disorders in Brazil.
OBJETIVO: Estimar o custo direto da esquizofrenia para o setor público. MÉTODOS: O estudo foi realizado no Estado de São Paulo, no ano de 1998. Utilizaram-se dados da literatura e de institutos governamentais de pesquisa para estimar o número total de pacientes com esquizofrenia no Estado sob cobertura do Sistema Único de Saúde. Foi construída uma árvore de decisão mostrando a distribuição desses pacientes quanto ao nível de tratamento. Por meio de pesquisa em prontuários de alguns hospitais públicos e serviços ambulatoriais, documentou-se a utilização de recursos por esses pacientes no período de um ano. Foram atribuídos valores em Reais para esses recursos a fim de se calcular o custo direto total médico-hospitalar. RESULTADOS: Do total de pacientes, 81,5% estão sob cobertura do SUS e encontram-se assim distribuídos: 6,0% internados, 23,0% em tratamento ambulatorial e 71,0% sem tratamento regular. O custo direto total da esquizofrenia foi de R$222 milhões (US$191,781,327) (2,2% do total de gastos em saúde do Estado), sendo 11% destinados ao tratamento ambulatorial e 79,2% às internações psiquiátricas. CONCLUSÕES: A maior parte dos pacientes com esquizofrenia no Estado está sem tratamento regular. Os achados apontam para a necessidade de se investir em pesquisas que possam orientar uma melhor alocação de recursos no tratamento dos transtornos mentais no País.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3009
ISSN: 0034-8910
Other Identifiers: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000200017
Appears in Collections:Artigo
Artigo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0034-89102006000200017.pdf35.14 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.