Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1905
Title: Fatores ambientais e hospitalizações em crianças menores de cinco anos com infecção respiratória aguda
Other Titles: Environmental factors and hospitalization of under-five children with acute respiratory infection
Authors: Botelho, Clovis [UNIFESP]
Correia, Ademir Lopes [UNIFESP]
Silva, Ageo Mário Cândido da
Macedo, Alex Gonçalves [UNIFESP]
Silva, Clystenes Odyr Soares [UNIFESP]
Universidade Federal de Mato Grosso Pró-Reitoria de Ensino e Graduação
Universidade de Cuiabá
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade de Várzea Grande
Keywords: Respiratory Tract Infections
Child Welfare
Hospitalized Child
Infecções Respiratórias
Bem-Estar da Criança
Criança Hospitalizada
Issue Date: 1-Dec-2003
Publisher: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Citation: Cadernos de Saúde Pública. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, v. 19, n. 6, p. 1771-1780, 2003.
Abstract: Considering hospitalization as an indicator of seriousness of acute respiratory infection (ARI), this study focuses on the association between some environmental factors with the need for hospitalization of children with a diagnosis of ARI. The study analyzed all the medical records (at the Municipal Emergency Ward in Cuiabá, Mato Grosso State) of children under five years of age (both sexes), collected by month of attendance. Two weather seasons were considered: dry (May-October) and rainy (November-April). Variables included: temperature, relative humidity, and number of fires (due to extensive slashing and burning for agriculture in the region). Prevalence of ARI was 49.8%, and hospitalization was required in 7.6% of cases, with a higher percentage during the dry season. The dry season and lower relative humidity were associated with increased pediatric hospitalization rate due to ARI.
Considerando a hospitalização como um indicador de gravidade da Infecção Respiratória Aguda (IRA), objetiva-se estudar a associação de alguns fatores ambientais com a necessidade de tratamento hospitalar em crianças com diagnóstico de IRA. Foram analisados todos os prontuários de atendimento do Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, das crianças menores de cinco anos, de ambos os sexos, agrupados por mês do atendimento. Obedecendo às características climáticas da região, dois períodos climáticos foram levados em conta: seco (maio a outubro) e chuvoso (novembro a abril). As variáveis: temperatura, umidade relativa do ar, o número de focos de calor (queimadas) foram cotejadas. A prevalência da IRA foi 49,8%; a necessidade de internação alcançou 7,6%, com percentual de internações maior no período seco. Conclui-se que o período seco e a umidade relativa do ar estão associados com as hospitalizações das crianças estudadas.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1905
ISSN: 0102-311X
Other Identifiers: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000600021
Appears in Collections:Artigo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0102-311X2003000600021.pdf55.25 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.