Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1636
Title: Stunting and future risk of obesity: principal physiological mechanisms
Other Titles: Baixa estatura nutricional e risco de obesidade futura: principais mecanismos fisiológicos
Authors: Sawaya, Ana Lydia [UNIFESP]
Roberts, Susan
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Aging at Tufts University Human Nutrition Research Center
Keywords: Nutritional Status
Obesity
Nutrition Disorders
Food Intake
Estado Nutricional
Obesidade
Desnutrição
Ingestão de Alimentos
Issue Date: 1-Jan-2003
Publisher: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Citation: Cadernos de Saúde Pública. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, v. 19, p. S21-S28, 2003.
Abstract: There is a fair amount of epidemiological evidence showing that nutritional stunting causes increased risks of obesity. Obesity is increasing dramatically not only in developed countries but also in developing countries, such as Brazil, especially among the poorer. The mere coexistence of undernutrition and obesity among poor people has a great impact, as the burden in the social, economic, and health care systems is remarkable. In addition, an increasing number of studies have shown that nutritional stunting causes a series of important long-lasting changes such as lower energy expenditure, higher susceptibility to the effects of high-fat diets, lower fat oxidation, and impaired regulation of food intake. These findings suggest that a broader and more detailed understanding of the long-lasting effects of early undernutrition, direct cause of nutritional stunting, is needed. Within this context, we present data of some physiological mechanisms that substantiate the association between previous undernutrition and future obesity.
Existe uma quantidade significativa de evidências epidemiológicas mostrando que a baixa estatura nutricional aumenta o risco de obesidade futura. A obesidade vem aumentando dramaticamente, não apenas nos países desenvolvidos, mas também nos países em desenvolvimento, como o Brasil, especialmente entre indivíduos mais pobres. A mera coexistência de desnutrição e obesidade na população pobre tem um grande impacto, gerando enorme sobrecarga para o sistema de saúde e a estrutura sócio-econômica. Além disso, um número cada vez maior de estudos tem mostrado que a baixa estatura nutricional causa uma série de mudanças a longo prazo, como menor gasto energético, maior susceptibilidade aos efeitos de dietas com alto teor de gorduras, menor oxidação de gorduras e prejuízo na regulação da ingestão alimentar. Esses achados sugerem a necessidade de um entendimento mais amplo e detalhado dos efeitos tardios da desnutrição no início da vida, causa direta da baixa estatura para a idade. Dentro desse contexto, apresentamos alguns dados relacionados aos mecanismos fisiológicos subjacentes à associação entre desnutrição e obesidade futura.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1636
ISSN: 0102-311X
Other Identifiers: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000700003
Appears in Collections:Artigo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
S0102-311X2003000700003.pdf69.32 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.