Prevalência e fatores de risco associados à sibilância em lactentes no primeiro ano de vida em Belém - Pará - Brasil

Prevalência e fatores de risco associados à sibilância em lactentes no primeiro ano de vida em Belém - Pará - Brasil

Título alternativo Prevalence and risk factors for wheezing in the first year of lifein Belém, Pará, Brazil
Autor Prestes, Elaine Xavier Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Solé, Dirceu Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Objetivo: determinar a prevalência e fatores de risco para sibilância, sibilância recorrente e asma em lactentes de Belém, Pará, Brasil. Métodos: estudo transversal que utilizou o questionário escrito do Estudio Internacional de Sibilancias en Lactentes (EISL) para pais de lactentes de 12 a 15 meses, nas Unidades Básicas de Saúde de Belém, por ocasião de vacinação, entre maio e agosto de 2006. Utilizou-se o Teste t de Student ou Mann-Whitney para variáveis contínuas e teste Qui-quadrado para as categóricas, estimação da razão de chances (RC), com intervalo de confiança de 95%, e ajuste de modelo de regressão logística para avaliar fatores de risco com nível de significância de 5%. Resultados: participaram do estudo 3.024 crianças. A prevalência de sibilância foi 46,1%, de sibilância recorrente 21,9% e asma 10,1%. Os fatores de risco para sibilância no primeiro ano de vida foram: ter infecções de vias aéreas; ser exposto ao fumo na gestação; ser do gênero masculino; ter história familiar de asma, rinite e dermatite atópica; ter tido o primeiro resfriado antes dos cinco meses de idade; ter dermatite atópica; morar em local com poluição atmosférica. Ter o esquema de vacinação atualizado e maior número de pessoas em casa foi identificado como fator de proteção. Os fatores de risco para sibilância recorrente foram: gênero masculino, infecção de vias aéreas, infecção de vias aéreas antes dos cinco meses de idade, ser da raça negra, exposição à poluição atmosférica, história familiar de asma e rinite, dermatite atópica pessoal. Ter o calendário vacinal atualizado e ter seis meses de idade ou mais na primeira infecção foram fatores de proteção. Os fatores de risco para asma foram: ter mais de três episódios de infecções de vias aéreas; ser exposto ao fumo na gestação; ter história familiar de asma; morar em local com poluição atmosférica. Conclusão: a prevalência de sibilância, sibilância recorrente e asma em lactentes de Belém são elevadas e os fatores de risco associados a elas apontam para fatores genéticos, exposição a infecções de vias aéreas, fumo e poluição do ar. A educação dos pais em relação à sibilância e a capacitação de pediatras poderão diminuir a morbidade da doença sibilante e os custos com serviços de saúde.
Palavra-chave Aleitamento materno
Fatores de risco
Lactente
Prevalencia
Viroses
Sons respiratorios
Breast feeding
Risk factors
Infant
Prevalence
Virus diseases
Respiratory sounds
Idioma Português
Data de publicação 2011-01-26
Publicado em PRESTES, Elaine Xavier. Prevalência e fatores de risco associados à sibilância em lactentes no primeiro ano de vida em Belém - Pará - Brasil. 2011. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2011.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 112 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9970

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Retido-12464.pdf
Tamanho: 1.094MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta