Pólipos endometriais na pós-menopausa: Aspectos clínicos, epidemiológicos e pesquisa do polimorfismo do receptor da progesterona (PROGINS)

Pólipos endometriais na pós-menopausa: Aspectos clínicos, epidemiológicos e pesquisa do polimorfismo do receptor da progesterona (PROGINS)

Título alternativo Endometrial polyps in postmenopause: Clinical and epidemiological aspects and the presence of progesterone receptor polymorphism (PROGINS)
Autor Miranda, Simone Madeira Nunes Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Girão, Manoel João Batista Castello Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Purpose: To evaluate the genetic polymorphism of the progesterone receptor (PROGINS), as well as clinical and epidemiological risk factors for endometrial cancer in postmenopausal women with endometrial polyps. Methods: A case control study was designed with 154 postmenopausal women with endometrial polyps, compared to a normal control group of 400 postmenopausal women. The genotyping of PROGINS polymorphism was determined by polymerase chain reaction. The group of polyps was compared to 118 normal postmenopausal controls regarding clinical and epidemiological variables. These variables were also compared between benign and malignant endometrial polyps. Results: The epidemiological variables among the group of endometrial polyps and normal control, showed statistical significance (p<0,05) for age: media of 61,7 and 57,5 years, ethnicity non-white 44,8% and 22,9%, time since menopause media of 12,9 and 9,2 years, parity media of 4,5 and 3,4 sons, tamoxifen use 5,2% and 0%, hypertension 54,5% and 29,7% and history of breast cancer 10,4% and 0,8% respectively. After age adjust, statistical significance, remained only for parity (OR=1,13), hypertension (OR=2,19) and history of breast cancer (OR=14,44). Postmenopausal bleeding and large polyps were present in all cases of malignancy. Hypertension was also very frequent in malignant polyps (83,3% and 54,5% respectively). The presence of PROGINS had no statistical significance between the group of polyps and the normal control (N=400). The presence of wild homozygosis genotype, heterozygosis and mutant homozygosis was 79,9%, 19,5% and 0,6% respectively for the polyp group, and 78,8%, 20,8% and 0,5% for the control group (p=0,208). Conclusions: There was no significant association between the presence of PROGINS and endometrial polyps. After age adjust, epidemiological variables significantly associated to endometrial polyps were elderly age, parity, hypertension, and history of breast cancer (implicit tamoxifen use). Malignant polyps in this study were always associated to postmenopausal bleeding, large polyps and frequently associated to hypertension.

Objetivo: Avaliar a presença do polimorfismo genético do receptor da progesterona (PROGINS) bem como as variáveis clínicas e epidemiológicas de risco para câncer de endométrio em mulheres com pólipos endometriais na pós-menopausa. Casuística e Métodos: Comparou-se em estudo caso-controle 154 mulheres menopausadas com pólipos endometriais benignos e 400 controles normais na pós-menopausa, quanto à presença do PROGINS, por meio da Reação em Cadeia da Polimerase (PCR). O grupo de pólipos endometriais foi comparado a 118 pacientes do grupo controle no tocante às variáveis clínicas e epidemiológicas de risco para câncer de endométrio. Estas variáveis foram também comparadas entre os pólipos benignos e malignos. Resultados: A comparação entre o grupo de pólipos benignos e o grupo controle mostrou significância estatística (p<0,05) para as varáveis: idade (média de 61,7 x 57,5 anos), raça não-branca (44,8% x 22,9%), anos da menopausa (média de 12,9 x 9,2 anos), paridade (média de 4,5 x 3,4 filhos), uso de tamoxifeno (5,2% x 0%), hipertensão arterial (54,5% x 29,7%) e antecedente de câncer de mama (10,4% x 0,8%) respectivamente. Após o ajuste para a idade, permaneceram com significância estatística, apenas a paridade (OR=1,13), a hipertensão arterial (OR=2,19) e o antecedente de câncer de mama (OR=14,44). Seis casos (3,75%), foram diagnosticados como pólipos malignos, nestes casos, sangramento na pós-menopausa e o tamanho grande do pólipo estiveram sempre presentes, enquando que nos pólipos benignos esta frequência foi de 23,4% para sangramento e 54,5% para pólipo grande. A hipertensão arterial foi bem mais frequente no grupo de pólipos malignos, 83,3% x 54,5% nos pólipos benignos. Não houve diferença estatisticamente significante entre os grupos quanto à presença do PROGINS, sendo no grupo de pólipos benignos a distribuição entre homozigoto selvagem, heterozigoto e homozigoto mutado de 79,9%, 19,5% e 0,6% respectivamente. No grupo controle (N=400) esta distribuição foi de 78,8%, 20,8% e 0,5% respectivamente. Conclusões: A presença do PROGINS não mostrou associação significativa com pólipos endometriais. As variáveis epidemiológicas significantemente associadas à presença de pólipos endometriais, após o ajuste para idade, foram a paridade, hipertensão arterial e o antecedente de câncer de mama (implícito o uso de tamoxifeno), além da idade mais avançada. Em nosso estudo, pólipos endometriais malignos estiveram sempre associados à presença de sangramento na pós-menopausa e tamanho grande do pólipo, sendo a hipertensão arterial achado bastante frequente.
Palavra-chave Aspectos clínicos e epidemiológicos de pólipos endometriais
Polimorfismo do receptor da progesterona (PROGINS)
Pólipos endometriais na pós menopausa
Pólipos/etiologia
Polyps/etiology
Pólipos/patologia
Polyps/pathology
Receptores de progesterona
Receptors, progesterone
Pós-menopausa
Postmenopause
Polimorfismo genético
Polymorphism, genetic
Clinical and epidemiological aspects of endometrial polyps
Polymorphism of progesterone receptor ( PROGINS )
Endometrial polyps in postmenopausal
Idioma Português
Data de publicação 2009-08-26
Publicado em MIRANDA, Simone Madeira Nunes. Pólipos endometriais na pós-menopausa: Aspectos clínicos, epidemiológicos e pesquisa do polimorfismo do receptor da progesterona (PROGINS). 2009. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2009.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 100 p.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9944

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Publico-11853.pdf
Tamanho: 1.847MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta