O papel das células-tronco mesenquimais em modelos experimentais de doença renal aguda e crônica

O papel das células-tronco mesenquimais em modelos experimentais de doença renal aguda e crônica

Título alternativo The role of mesenchymal stem cells in acute and chronic kidney disease models
Autor Semedo, Patricia Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Câmara, Niels Olsen Saraiva Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Desde a década de 70 até o presente momento, o conhecimento sobre células-tronco (CTs) vêm crescendo exponencialmente. Dentre as CTs, interesse crescimento se dá no campo das células-tronco adultas, com especial atenção para as CTs da medula óssea, as células-tronco mesenquimais (CTMs). Muito têm se descoberto sobre o potencial terapêutico das CTMs para diversas patologias, devido a seu grande potencial em reparar tecidos e diminuir a inflamação local. Na área da nefrologia, muitos avanços foram feitos em doenças renais agudas e crônicas, entretanto as taxas de morbi-mortalidade mantêm-se elevadas. Devido ao caráter devastador das doenças renais, estudar uma forma alternativa de tratá-la está na terapia por CTMs. Nesse estudo, buscamos compreender o papel das CTMs em modelos renais agudo e crônico. Para tanto, em um modelo agudo de lesão de isquemia e reperfusão, CTMs foram administradas após 6h de reperfusão e analisadas em 24h e 48h. Os níveis de creatinina e uréia séricos apresentaram-se bem menores em 24h e 48h após reperfusão nos animais tratados com CTMs. Histologicamente, esses dados refletem em menor NTA e maior regeneração. Sabendo do potencial imunomodulador das CTMs, analisamos o perfil de citocinas no tecido renal. Observamos uma diminuição de citocinas inflamatórias (Th1) e aumento de citocinas anti-inflamatórias (Th2). Uma vez que realizamos o modelo experimental em ratos Wistar fêmeas e injetamos CTMs de machos, procuramos a CTM no tecido renal por PCR através da expressão do gene SRY (sex determing region Y). Em 24h, não encontramos as CTMs no tecido renal. Sistemicamente, a administração de CTMs exógenas não altera o perfil de citocinas Th1, porém leva ao aumento de citocinas Th2. Como os resultados foram animadores no modelo agudo, partimos para analisar o papel das CTMs no modelo renal crônico de nefrectomia 5/6. Com um tratamento contínuo de CTMs (a cada 2 semanas), após 8 semanas, observamos melhora nos níveis de creatinina e uréia sérica, bem como diminuição nos níveis de proteinúria. Apesar de uma tendência a melhorar o clearance de inulina nos animais tratados com CTMs, não houve diferença estatística com o grupo não tratado. Ao analisar a fibrose característica do modelo de 5/6, observamos menores índices de áreas fibróticas e glomerulosclerose no tecido dos animais tratados com CTMs, bem como redução em diversas moléculas fibróticas tais como Vimentina, Colágeno 1, TGF -β, FSP-1, Smad 3, MCP-1 e razão TIMP-1/MMP9. Já nesse modelo, as CTMs encontravam-se no tecido renal, e podemos correlacionar sua presença com o aumento de moléculas anti-fibróticas, tais como HO-1 e HGF. Em relação as citocinas expressas no tecido renal, novamente observamos uma polarização para citocinas Th2, o que por sua vez pode levar a inibição do processo de transição epitélio-mesenquimal (TEM). Surpreendentemente, a administração de CTMs levou a uma menor expressão de diversas citocinas séricas. Nos dois modelos utilizados, percebemos que administração de CTMs leva a melhora funcional renal, sendo o provável mecanismo envolvido nessa melhora a imunomodulação decorrente do tratamento, tanto no tecido renal quanto sistêmica, além da secreção de outras moléculas tais como HO-1 e HGF que medeiam processos anti-fibróticos, remodelando o tecido renal.
Palavra-chave Lesão de isquemia e reperfusão
Insuficiência renal aguda
Células-tronco mesenquimais
Fibrose renal
Inflamação
Isquemia
Reperfusão
Lesão renal aguda
Células-tronco
Fibrose
Idioma Português
Financiador Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP
Número do financiamento FAPESP: 06/0620-5
Data de publicação 2009-05-27
Publicado em SEMEDO, Patricia. O papel das células-tronco mesenquimais em modelos experimentais de doença renal aguda e crônica. 2009. 141 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2009.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 141 f.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9858

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Tese-11389.pdf
Tamanho: 1.675MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta