Manipulações experimentais dos efeitos amnésticos promovidos privação de sono em camundongos: uma abordagem comportamental

Manipulações experimentais dos efeitos amnésticos promovidos privação de sono em camundongos: uma abordagem comportamental

Título alternativo Amnestic effects induced by different sleep deprivation regimes in mice: a behavioural characterization
Autor Patti, Camilla de Lima Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Frussa-Filho, Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo A myriad of physiological alterations is induced by sleep deprivation either in humans or in laboratory animals. Among them, sleep deprivation, especially paradoxical sleep deprivation, has got the capability of inducing acquisition and consolidation impairments of a memory trace. In fact, a bulk of experimental evidences has shown the acute sleep deprivation-induced amnestic effects even in rodents or in humans. In this concerning notwithstanding, few studies have attempted to the behavioural alterations induced by paradoxical sleep deprivation regimes from an integrative perspective. In this scenario, fewer are the studies which investigate partial chronic sleep deprivation, an ordinary condition in modern around-to-clock societies. In this context, in the first series of experiments, we compared the effects induced by different paradoxical sleep deprivation regimes in mice submitted to plus-maze discriminative avoidance task. This animal model is able to evaluate simultaneously (but independently) the acquisition of a discriminative task (by progressive avoidance of enclosed arm which is associated with aversive stimuli – bright light and sound – in the training session), as well as memory retention of this task (by avoidance of such enclosed arm in the test and/or retest sessions in the absence of the aversive stimuli). Additionally, this behavioural model also evaluates animals’ anxiety levels (by avoidance of the open arms of the apparatus) and motor activity (by the number of arm entries in all arms of the apparatus). In the first series of experiments, we found that partial chronic and intermittent sleep deprivation regimes were effective in promoting acquisition and retention deficits when compared to acute paradoxical sleep deprivation regimes. These cognitive deficits were followed by a decrement in anxiety levels as well as by an increment of motor activity. These behavioural alterations did not seem causative since there were sleep deprivation regimes that induced memory impairments without promoting acquisition, anxiety or motor activity modifications. The vast majority of these behavioural effects were counteracted by a 24hrecovery period after sleep deprivation regimes. Such sleep recovery period has showed facilitatory effects per se on memory as well. In the second series of experiments, we aimed to dissect the partial chronic paradoxical sleep deprivation regime effects interactions with acute pre-training ethanol administration in different doses on mice’s behaviour in the plus-maze discriminative avoidance task. We verified that such association was able to impair or to improve memory retention in ethanol’s dose-dependent manner. At last but not least, the third series of experiments was proposed to investigate the role of state-dependency phenomenon on retention impairments induced by acute paradoxical or total (non-selective) sleep deprivation in both discriminative and inhibitory avoidance paradigms. The results showed that, in both tasks, paradoxical sleep deprivation-induced memory deficits (but not those induced by non-selective sleep deprivation regime) are critically associated to state-dependency phenomenon.

Numerosas são as alterações fisiológicas promovidas pela privação de sono, tanto em humanos quanto em animais de laboratório. Entre elas, a privação de sono, principalmente de sono paradoxal, é capaz de promover prejuízos nos processos de formação e armazenamento da memória. De fato, diversos estudos já demonstram os efeitos amnésticos da privação aguda de sono, seja em roedores ou em humanos. Não obstante, poucos estudos têm abordado de forma integral as diferentes alterações comportamentais promovidas por regimes de privação de sono paradoxal. Nesse aspecto, ainda mais escassos são os estudos com animais envolvendo regimes de privação parcial crônica de sono, condição cada vez mais freqüente em diversas sociedades contemporâneas. Nesse cenário, em uma primeira série de experimentos, procuramos comparar os efeitos de diferentes regimes de privação de sono paradoxal sobre o comportamento de camundongos no modelo da esquiva discriminativa em labirinto em cruz elevado. Tal modelo é capaz de avaliar simultaneamente o aprendizado de uma tarefa discriminativa (pela evitação progressiva de um braço fechado associado a estímulos aversivos – luz e som), bem como a retenção dessa tarefa (pela evitação desse braço fechado aversivo nas sessões de teste e reteste, mesmo na ausência dos estímulos aversivos). Além disso, o modelo avalia, simultaneamente, os níveis de ansiedade dos animais (pela evitação dos braços abertos do aparelho), bem como sua atividade locomotora (pelo número de entradas em todos os braços do aparelho). Nessa primeira série de experimentos, verificamos que os regimes de privação parcial crônica de sono paradoxal e privação ininterrupta repetida (privação intermitente) foram mais efetivos em promover déficits de aquisição e retenção quando comparados aos de regimes de privação aguda de sono paradoxal. Tais déficits cognitivos foram acompanhados por uma diminuição nos níveis de ansiedade e um aumento da atividade locomotora. Essas alterações comportamentais não se mostraram necessariamente associadas sob o ponto de vista causal, pois alguns regimes de privação de sono promoveram déficits de retenção na ausência de alterações na aquisição, na emocionalidade e na atividade locomotora. A grande maioria desses efeitos comportamentais foi revertida por um período de recuperação de sono por 24 horas após os respectivos regimes de privação. Tal período de recuperação mostrou também efeitos facilitadores da memória, per se. Em uma segunda série de experimentos, procuramos verificar o resultado da interação entre regimes de privação parcial crônica de sono paradoxal e administração aguda pré-treino de diferentes doses de etanol sobre o modelo de esquiva discriminativa. Verificamos que tal associação foi efetiva tanto em prejudicar como em facilitar a retenção da tarefa, dependendo criticamente da dose de etanol. Finalmente, em uma terceira série de experimentos, procuramos investigar a participação do fenômeno de dependência de estado sobre os déficits de retenção das tarefas de esquiva discriminativa e inibitória promovidos tanto pela privação aguda de sono paradoxal como pela privação aguda de sono total. Em ambos os tipos de tarefa, os déficits promovidos pela privação aguda de sono paradoxal (mas não aqueles promovidos pela privação de sono total) mostraramse criticamente associados ao fenômeno de dependência de estado.
Palavra-chave Sono
Ansiedade
Dependência de estado
Camundongos
Memória
Sleep
Anxiety
Mice
Memory
Idioma Português
Data de publicação 2008-10-29
Publicado em PATTI, Camilla de Lima. Manipulações experimentais dos efeitos amnésticos promovidos privação de sono em camundongos: uma abordagem comportamental. 2008. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2008.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 267 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9791

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta